Vamos falar de


sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A Junta de Mértola e a irresponsabilidade da “coligação” ou saber ou não lidar com a democracia.

Não vale a pena contar a história do início porque toda a gente a conhece. A Junta de Freguesia de Mértola está ingovernável. Depois de várias tentativas goradas de eleger executivo e de sucessivas respostas negativas da aliança entre a CDU/PCP e os MIM os eleitos do PS demitiram-se em bloco uma vez que se verificava a total ingovernabilidade daquela autarquia.

O Povo expressou a sua vontade, escolheu maioritariamente o PS para gerir os destinos da Junta de Mértola, mas irresponsavelmente uma coligação entre a CDU/PCP e os MIM impediram que tal vontade se concretizasse. Interesses partidários e interesses particulares sobrepõem-se ao interesse público e à vontade das populações.

Esperam-nos longos meses até à concretização de um novo acto eleitoral provocado irresponsavelmente por um grupo de meninos a fazer birra com a bola escondida atrás das costas.

O povo de Mértola saberá certamente dar a resposta adequada aos que não sabem efectivamente lidar com a democracia, a quem não sabe distinguir entre vitória e derrota. Normalmente os meninos com “síndrome” de dono da bola acabam a jogar sozinhos e os outros em equipa fazem o seu jogo nem que seja com uma bola de trapos.

11 comentários:

  1. Pois o que se viu naquela sala pouco dignifica a democracia. Não me espanta a atitude da CDU, a essa já estamos habituados, o que foi confrangedor foi ver os "independentes" mostrarem publicamente que de independentes não tem absolutamente nada. Mostraram perante todo o povo aquilo que encapotaram durante a campanha, não são mais do que uma extensão dos comunistas cujo interesse é tão somente prejudicar o Partido Socialista e neste caso prejudicar o interesse público e subverter os resultados eleitorais expressos nas urnas. O espectáculo que CDU e MIMs nos ofereceram no Salão da Junta de Freguesia, se não fosse triste e patético e se não prejudicasse tanto a freguesia seria digno de anedota e de galhofa.
    Os meus parabéns á D.Fernanda e à sua equipa, souberam interpretar e bem a vontade popular, souberam oferecer soluções cedendo, mas souberam também mostrar firmeza. O eleitorado saberá certamente compensar a vossa dignidade!

    ResponderEliminar
  2. O que se assistiu ontem foi mau de mais para quem ainda acredita na democracia e nos legitimos representantes do povo. O que se assistiu ontem foi uma noite de facas longas, onde se tentou que as vinganças pessoais, politicas ou outras, prevalecessem sobre o bom senso e o interesse público.Viu-se de um lado e até foram os vencedores tudo fazerem para que o poder do povo funcionasse.Abdicou-se de parte duma equipa, cedeu-se até ao limite do possivel, interrompeu-se a sessão para retomar diálogos com quem não os queria fazer. A vingança era para se cumprir. A matança era para se fazer mesmo sabendo que o alvo nunca seria atingido.DE facto os valôres, o respeito, a verdade, o apego^`a causa pública estava todo do lado da D. Fernanda. Como é possivel alguém levantar uma voz, uma palavra amarga sobre uma mulher isenta e que está na vida para ajudar os outros.Podia estar a gastar o seu tempo a ganhar dinheiro, dando formação ou trabalhando noutros locais para onde foi convidada. Abdicou de tudo em pole de gente que não presta, de gente má, de gente que tem inveja do seu percurso.Estou certo , por que a conheço, que é determinada e ninguém a fará percorrer caminhos errados.Estou certo que a população saberá apreciar e penalizar todos aqueles que paralizaram esta freguesia por mais de 6 meses, com prejuizos para as populações, que disseram claramente que queriam a equipa da D Fernanda à frente do executivo da Junta.

    ResponderEliminar
  3. Pelo contrário, caro administrador, vale mesmo a pena contar a história desde o principio, pois nem toda a gente a conhece, já que apesar de estarem muitas pessoas a assistir não estavam todas, obviamente.
    E a história desde o principio é esta:

    1- No dia 11 de Outubro os eleitores da freguesia de Mértola votaram maioritariamente no PS, contudo e,ao contrario do que é habitual por cá, não lhe deram maioria absoluta;

    2- Assim, elegeram 4 elementos do PS, 4 da CDU e 1 do MIM, há naturalmente que fazer a leitura destes resultados.

    3- E a leitura é simples a presidente, diz a lei, é eleita directamente, ou seja é a cidadã que encabeça a lista mais votada. Até aqui tudo bem.

    4- Só que a lei também diz que os vogais da Junta e os membros da mesa da Assembleia são eleitos pela Assembleia, sob proposta do presidente Junta;

    5- Não diz a lei expressamente, mas dizem vários pareceres de entidades oficiais que o presidente deve fazer tantas propostas quantas as necessárias para encontrar consenso;

    6- Propôs, a presidente da Junta, após apresentar três listas a votação,sendo que, curiosamente, em nenhuma delas incluiu o cabeça de lista da cdu, "a suspensão da assembleia por um período de trinta minutos para reflexão e tentativa de consenso sobre a solução a seguir."

    7- De imediato se retirou para outra sala, onde reuniu com os cabeças de lista das outra duas forças representadas na assembleia;

    8- Os quais, segundo julgo saber, lhe transmitiram que só haveria consenso se todas as forças tivessem representação no executivo;

    9- Facto com o qual a Srª não concordou e por isso, após a suspensão resolveu "relançar" a primeira lista, já chumbada, e como que por magia aparece um voto em branco (branco e não uma abstenção, já que segundo o que consta da acta entraram na urna 9 votos, se eram nove votantes, necessáriamente não houve abstenção nenhuma),

    10- Admitindo que possa ter havido um voto em branco, coisa que não posso afirmar já que nem eu, nem qualquer pessoa, para além dos interessados em que ele aparecesse, o viram, esse voto operou o milagre de produzir um empate.

    11- Consequentemente a Srª presidente, tal como manda a lei passou para a votação uninominal.

    12- E submeteu a votação o seu número dois, ora tendo em conta o tal voto em branco, criou-se a expectativa, e agora?

    13- A resposta, curiosamente, foi mais uma vez o chumbo da proposta.

    14- Posto isto, a Srª presidente fez aquilo que eu, pessoalmente esperava, tendo em conta a sua personalidade, se não podia governar ao estilo posso, quero e mando, renunciou ao mandato num total desrespeito pela democracia e pelos eleitores que nela votaram, já sem falar dos outros.

    15- Vitimizou-se, fez dos outros os maus da fita, acusou, muito embora tal não conste da acta, as outras forças de estarem em conluio, alegou que só governaria em maioria, esquecendo-se que não a tinha, disse que tinha feito todas as tentativas,enfim representou o papel de vitima. Dirigindo-se constantemente ao público presente, quando na verdade tinha era que negociar com os eleitos.

    - Coisa que não foi capaz de fazer, pois queria, afinal, ter a maioria absoluta que os eleitores não lhe deram, pois sendo o executivo composto por três elementos ter dois dos seus é ter maioria absoluta.

    - E o fundamento de que a Junta assim ficaria ingovernavel não procede, de todo, pois há vários exemplos por todo o país onde isso já aconteceu e não veio nenhum mal ao mundo.

    - A srª presidente teve uma boa oportunidade para praticar os valores que tanto proclama: democracia e partilha,mas não o fez preferiu a arrogância e a prepotência.

    - Se a Junta vai ficar parada à Srª presidente se deve e a mais ninguém!

    - Diga-me lá, sr. administrador quem é que fez birra?! Quem, afinal, é que tem o "sindrome"dono da bola?

    ResponderEliminar
  4. Entendimentos diferentes Maria José, Mas estes com respeito e elevação.

    ResponderEliminar
  5. @bi zé

    entre tanto disparate que voce diz, só há um reparo que quero fazer enquanto eleitora desta junta - e já agora, voce vota aonde?:

    "renunciou ao mandato num total desrespeito pela democracia e pelos eleitores que nela votaram"

    Entendo, que foi precisamente por respeito em quem nela votou que, como eleitora do PS, CONCORDO com a atitude da D. Fernanda. Seria impossivel a D. Fernanda dirigir com sucesso o programa da Junta tendo como aliados um CDU, seja ele qual for, e um MIM, que mostraram ser coligados com a CDU.
    Portanto, minha cara, vá lá dar liçoes de moral pra outra freguesia (talvez pra Santana de Cambas, ajude o Zé Galinha a orientar as contas publicas) que aqui, no PS ninguem se sente traido nem vitimizado mas sim HONRADO por ser liderado por uma senhora como a D. Fernanda Romba.

    O que se viu na junta foi um nervoso cego pela derrota de que foram vitimas os CDU e os amigos. O PS nao tem medo de eleições.

    Vao-nos obrigar a fazer outra festa?! a andar felizes e contentes por mais uma vitoria?! Obrigado, por nos quererem tanto!

    Nota: Bi Zé, nao precisas responder à pergunta "onde é que votas". Por acaso nao sei, mas só pra nao te "ouvir" outra vez, eu peço QUE NAO RESPONDAS!

    Viva o PS!

    ResponderEliminar
  6. Concerteza amigo Carlos.
    Mas já agora podias acrescentar ao post " Quando a falta de vergonha e a cobardia ultrapassam os limites do razoável", as pérolas com que a anónima "térpsicore" me brindou nos dois comentários em que se referiu a mim. Ou ainda aquela frase em que o não menos anónimo bresnev adjectivou o Sr. José Rodrigues de aldrabão. Também lá ficavam bem.
    Por mim estou de consciência tranquila, quando faço comentários assino-os, não ofendo ninguém,apenas dou a minha opinião, sendo que uns concordam comigo outros não, encaro isso com toda a naturalidade.
    Agora o que já não posso achar normal é que pessoas que nem têm coragem para dar a cara venham para aqui ofender-me. E se isso continuar a acontecer, terei que tomar medidas.
    E apelo a todos os mertolenses que, sem deixar de opinar sobre o assunto da freguesia, não façam comentários ofensivos e atentatórios da honra de ninguém. Discutam o assunto com serenidade. Cada interveniente naquele acto tomou as decisões que entendeu tomar, votaram da forma que entenderam, e a Srª presidente e a sua equipa tomaram a decisão que consideraram adequada, tudo isto está previsto na lei, tem as consequências que tem. Já aconteceu em vários locais, nuns resloveu-se, noutros aconteceu o mesmo que em Mértola. Quando o Povo voltar a pronunciar-se dirá o que bem entender e se o Ps tiver maioria, governará como entender, se não tiver logo se vê. Agora o que é preciso é, sem deixar de discutir o assunto, cada um com os seus pontos de vista, o que é preciso, dizia, é não fomentar ódios.

    ResponderEliminar
  7. A grande diferença é que aqui, se quiseres actuar,sabes a quem te dirigir e quem é em ultima instancia o responsável.

    ResponderEliminar
  8. @Maria José Henriques

    Não posso obviamente deixar de te responder ponto a ponto ao teu comentário e porque a minha resposta não cabe na caixa de comentário farei um post com a dita resposta.

    ResponderEliminar
  9. Mais uma vez a D Maria Jose Henrique, demonstrou a sua incapacidade de argumentação. Já tinhamos assistido noutras alturas.Quiz assumir a defesa do MIM e do PCP e entendeu eleger como réu a D Fernanda. Nem um momento deve a delicadeza de dar o beneficio da dúvida a quen tem um compromisso com o eleitorado e tem que serfiel a ele, aliás como ela tem sido fiel a todos os seus compromissos. A senhora terá que nascer 2 vezes, para chegar ao nivel desta senhora, quer seja a nivel politico, nivel cultural, quer seja a qualquer outro.Não será a senhora que terá a capacidade de denegrir o bom nome da senhora. Ela rege-se por valôres éticos e morais que alguma vez lhe passarão pela sua cabeça e não será a sua prosa que lhe fará desviar o caminho que ela traçou ao serviço dos mais pobres e desprotegidos, enquanto você percorre os caminhos do interesse e da defesa daqueles que lhe pagam. A senhora não tem autoridade moral por que move a sua vida em interesses pesoais e não em nome dos que precisam. A senhora defende o PCP e MIM, por que pensava na vitória de ambos, assim como apostou no apoio ao Pulido Valente que lhe garantiu a avença durante uns tempos.Lute como poder pelos seus interesses, mas nunca faça ataques pessoais a pessoas integras, que fazem do dia à dia, voluntáriamente, graciosamente o apoio aos mais pobres.
    Para terminar o comportamento da D Fernanda na Assembleia foi de uma dignidade que só a senhora não terá capacidade para julgar, tudo fazendo para que a democracia vencesse.Só a arrogância de você, conjuntamente com o ódio e sede de vingança dalguns foi capaz de fazer pressão sobre uma pessoa que resolveu abter-se mas que não conseguiu resistir às pressões que a sra. e outros lhe fizeram. A sociedade vai continuar a ser justa, como foi quando deu a vitória à Câmara e Assembleia Municipal e ainda vai ser mais justa quando a D. Fernanda se recandidatar, agora em nome da justiça, da democracia e da verdade.

    ResponderEliminar
  10. D Maria Jose

    Como se designa alguem que engana as pessoas? Como se adjetiva alguem que transfere dinheiro para a Junta e depois diz que foi alguem que ajudou a Junta?Como se adjectiva alguém que percorre a freguesia depois de perder eleições a distribuir panfletos com inverdades?
    Para ser mais claro estou a referir-me ao seu protegido Jose Simao.

    ResponderEliminar
  11. Apenas um esclarecimento sobre o que considero de mais importante ou relevante.Falo se quizerem na dupla função de Pres. Assemb Municipal e Presidente da Comissão Politica do PS.
    Relativamente à primeira e na minha tomada de posse apelei ao bom senso, à convergência para pontos de vista diferentes sobre matérias várias, apelando à união de vontades para que todos tivessemos como objectivo primeiro ajudar Mértola para um futuro melhor.Apesar de estarmos em maioria, quizémos dar logo o primeiro sinal de convergência nomeando para a primeira comissão um membro de cada força na A.M.
    Não recebi feed back de nenhuma das forças ali representadas, a não ser um circunstancial cumprimento, cuja iniciativa acabou por ser minha.
    Mas a resposta foi dada no dia seguinte à tomada de posse da Assembleia Freguesia,quando por lei a indigitação dos dois vogais "agora" é da competência do Presidente eleito e votados pela Assembleia freguesia, que deverá respeitar a vontade popular e refletir no executivo uma maioria relativa ou obsoluta de acordo com os resultados.
    Quizeram as outras duas forças, transformar o executivo sufragado maioritáriamente pela população , numa minoria, o que sob ponto vista democrático não abona muito a favôr de quem o quiz fazer.Todos sabem que esta maioria ou minoria já estava na Assembleia freguesia, por onde passam todas as grandes orientações da Junta.
    Diria que é o que acontece na Assemb República onde a oposição tem maioria e o gpverno PS tem que negociar, mas ao invés a oposição não disse ao primeiro ministro que deveria ter estes ou aqueles ministros para governar.
    A pretexto destas intrepretações da democracia, deixo para quem o quizer fazer, mas não deixarei de lamentar e repudiar não as calúnias anónimas que um determinado blgue deixa passar acerca da nossa candidata, mas sim repudiar as considerações que uma candidata da CDU faz D. Maria José Henrique, quando diz" que A Presidente Junta agora demissionária, tem como lema o "quero,Posso e Mando", é arrogante e prepotente, o que é contrário a tudo aquilo que assistimos na Assembleia Freguesia, onde afinal houve, humildade, capacidade de diálogo, e respeito pela legalidade em todas as fases do processo.
    A vingança,ódio, a vaidade e prepotência não fazem parte do nosso estilo de vida . Os nossos valores democraticos assentam no respeito pela vontade popular, na defesa de regime onde se pratica a democracia e o respeito pelas pessoas.A terminar e em nome da Comissão Politica Concelhia em Mértola, estamos todos muito orgulhosos na conduta da nossa candidata, pessoa séria e de entrega a causas públicas de interesse para as populações, reconhecida no concelho, no distrito e no País.

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.