Vamos falar de


segunda-feira, 29 de junho de 2009

Cláudio Torres escreve sobre Pulido Valente

Fala quem conhece

Carta do mestre a um discipulo fraco

Raizes no passado com os olhos na EDIA

O percurso de Jorge Pulido no Alentejo e concretamente em Mèrtola é um exemplo tristemente edificante das sinuosidades da política que o Partido Socialista tem aplicado no nosso país, concretamente no poder local.
Depois de uma vida universitária medíocre e tristonha, pendura-se num projecto arqueológico para lançar a sua carreira política colando-se ao Partido Comunista que na altura, detinha o poder na autarquia de Mèrtola. Depois da morte de Serrão Martins, propõe-se imediatamente para as listas da CDU onde se aproveita das suas qualificações universitárias para tentar humilhar o presidente Fernando Rosa, na esperança de o substitiuir. Apercebendo-se das dificuldades, salta para o PRD e depois para o Partido Socialista, com o qual consegue finalmente os seus objectivos. No meio de uma população carenciada e cansada de esperar pelos compromissos sempre adiados de Lisboa, o Jorge Pulido promete mundos e fundos, acena com projectos miríficos de Àguas Bravas e Centros Internacinais de Desporto, promete casas e empregos para todos, refere os seus amigos do PS para ajudas directas do governo.
Promessas que sabia não poder cumprir, que sabia impossíveis de realizar e das quais, nos últimos tempos, se começou a desinteressar porque já tinha cumprido os seus objectivos pessoais. Tinha sido aceite entre os “boys”, entre as pessoas importantes do PS e portanto estava apto a receber o cargo almejado. Quando percebeu que a derrota em Mértola seria inevitável, quando se deu conta de que tinha de saltar antes de serem conhecidos os resultados das próximas autárquicas , eis que o Jorge Pulido voa para a EDIA com a promessa de se candidatar a Beja. Felizmente que a população da capaital do Baixo Alentejo já o conhece de outras andanças e nunca gostou de “salta pocinhas”.
Infelizmente para as suas ambições desmedidas, os cargos de nomeação política também estão em saldo e quase sempre têm o chão muito escorregadio.

Texto de Cláudio Torres num Blog da CDU

33 comentários:

  1. Um texto absolutamente despudorado. Vindo de quem vem é uma anedota.

    ResponderEliminar
  2. Mais do que despudorado, trata-se de verdadeira obscenidade!

    Vingativo, remoendo o ódio político de estimação, não perdoa a Jorge Polido a separação de águas que logo de início definiu quando foi eleito Presidente da Autarquia!

    Campo arqueológico é CAM, Câmara Municipal é mesmo Câmara Municipal. Isto, que é meridianamente claro e cheio de toda a lógica, não foi compreendido pelo arqueológo Torres. Ou melhor, ele bem percebeu mas, à boa maneira estalinista/trotzquista, fingiu que não percebera. Mas lá se foi utilizando das benesses que Jorge Polido lhe disponibilizou para realizar o seu trabalho sem interferências tutelares. Aí, fazendo o que lhe apeteceu, não teve pedalada para desenvorver o CAM apesar da CML lhe ter dispensado a tempo inteiro uma mão cheia de funcionários!

    Entrou pelo pior caminho: o da catalogação do Dr. Jorge Pulido em questões de carácter.

    Cláudio Torres, filho de um grande Homem, Flausino Torres, lutador anti-fascista de fundo e não de fachada viu-se obrigado a exilar-se para fugir à perseguição, primeiro da PIDE, depois do próprio Partdo Comunista a que pertencia e do qual dissidiu quando muitos o fizeram por ocasião das purgas e ocupações da Hungria, primeiro e da Checoeslováquia, depois.

    Filho de um grande Homem, repito, e de um carácter bem forjado pelas perseguições e pelo amor ao ensino, à sua Terra e á sua Família que nunca abandonou, Flausino Torres assim permaneceu até nos deixar!

    Não, não foi Cláudio Torres quem se exilou. Quem se exilou foi seu Pai que levou consigo a Famíla. Acho que Cláudio Torres seria a última pessoa a atacar Jorge Polido Valente em questões de carácter. E fê-lo, como bem disso o Administrador, com total despudor!

    E não resistiu à tentação fácil de invocar aqui a relação de "Mestre" para Discípulo porue não soube deglutir a imagem do "Ídolo com pés de barro" que Jorge Polido, com toda a pertinência, aqui deixou por ocasião do seu Editorial de resposta a uma entrevista que Torres dera ao jornal o Público!

    E quanto a Mestre, Mestre, convenhamos: Cláudio leccionou na Faculdade de Letras de Lisboa em épocas do PREC. Licenciou-se mas não se doutorou. Não obteve o grau máximo do seu cursus honorum na Faculadade onde prestou serviço.

    Saíu, aparentemente, a convite de Serrão Martins. Mas terão sido essas as razões verdadeiras da saída de Cláudio?

    Certo, certo é que Professor não é!



    Será bem arqueólogo mas um mau gestor.

    E será também a última pessoa a ter legitimidade para insinuar flutações políticas no percurso de Jorge Polido Valente. Sim, ele que está com a CDU e com o BE ao mesmo tempo ou peferindo um ou outro confomr as suas conveniências pessoais.

    ResponderEliminar
  3. No post anterior, em vez de CML deve antes ler-se CMM e em vez de flutações deve ler-se flutuações.Peço desculpa aos leitores

    ResponderEliminar
  4. Mil desculpas ao Dr. Jorge Pulido Valente pela errada ortografia do seu nome!!!

    ResponderEliminar
  5. Oh! Dr. Cláudio... não havia necessidade! Chama-se a isso tiros nos pés...

    ResponderEliminar
  6. Parte 1
    Não vou fazer a defesa da honra e do carácter do Jorge Pulido. Ele saberá tão bem fazê-lo, tal qual o “ António Transtangano” o fez com dados concretos, nomeadamente aquando da fuga para a Roménia, ditadura comunista das mais ferozes da Europa, nada comparáveis com a ditadura salazarista. Ainda hoje nos lembramos das torneiras de ouro do seu ditador, bem como das crianças e velhos abandonados em creches e lares repletos de lixo e moscas.
    Mas o que me obrigou a responder ao Cláudio são as acusações que faz ao PS, tanto a nível nacional como Local. E eu sou responsável local do PS em Mértola. Ao contrário do que o Cláudio diz que o PS nunca prometeu empregos e casa para todos,.Nunca foi a nossa postura. Mas percebo que o Cláudio queira agora fazer um jeito ao Chico Santos em Beja, mas já não vai a tempo, por que o trabalho em Beja foi tão mau, que nem o Cláudio consegue ver. Mas em simultâneo quer também fazer um jeito ao Partido Comunista em Mértola, na tentativa de voltar ao poder. Mas todos sabem que os protagonistas do passado são os mesmos que agora querem voltar, numa versão ainda de menor qualidade.
    E Já agora Cláudio você que foi um homem tão critico do PS, por que se disponibilizou aceitar um cargo de confiança politica dum governo PS-Guterres, sabendo até o Cláudio que não tinha nem formação nem vocação para o desempenhar?
    É espantoso como o Cláudio deu conta agora que temos uma população carenciada e cansada.
    Onde andou o Cláudio nos mandatos da CDU de triste memória?
    Por acaso conhece este concelho? Por acaso conhece as necessidades deste povo?
    Se conhecia e não fez nada por eles também é um dos grandes responsáveis por Mértola ter batido no fundo.
    E é aqui que o Cláudio se transformou num politico “rasteiro” olhando apenas para um lado. E já agora gostaria de lhe fazer umas perguntas?

    ResponderEliminar
  7. Parte 2
    Enquanto o Cláudio exercia influências sobre executivos CDU, nunca se lembrou que os vereadores do PS e o vereador Santana tinham aprovado um instrumento para proteger os mais pobres?. E foram muitos anos a prejudicar os idosos de que você tanto fala.
    Saberá o Cláudio que foi o PS quem mais se preocupou com os idosos, a ponto de comprar uma unidade móvel para os visitar nas suas localidades? Terá o Cláudio a noção de quantos idosos já foram apoiados? Tome nota 22 000 acções.
    Quando não havia terrenos para construção o Claudio aconselhava prudência não fosse Mértola ser invadida. E o cidadão comum e os jovens lá tiveram que ir para Beja e Castro construir.O que fez o Cláudio?
    Enquanto se bebia água sem ser tratada o Cláudio porventura comprava água do luso. Enquanto a Mina definhava o Claudio nada dizia. Enquanto fossas jorravam para fora e os esgotos tardavam o Cláudio calava-se. Enquanto os miúdos estudavam em escolas velhas e desadequadas no tempo, o que fez o Cláudio?
    Nunca deu conta de miúdos da escola a vaguear pelas ruas à mercê de tudo no tempo da cdu? Visite os Espaços Jovens e o complexo desportivo e o parque infantil. Dê-se ao menos a esse trabalho.
    Enquanto a vila velha caía, as entradas da vila estavam sujas, o acesso ao Cerro das Neves e Além Rio , às Azenhas estavam abandonados, o que fez o Cláudio?
    Por acaso o Cláudio deu conta das casas velhas da Autarquia que estavam caídas e agora reconstruídas e entregues a quem precisa delas? E não viu a Casa Vargas?
    Enquanto fundos comunitários estavam à disposição da Autarquia não foram aproveitados, para pontes, esgotos, arruamentos e caminhos, o que fez o Cláudio para impedir tudo isto?
    Por acaso já viu a ponte do Pomarão e de S.João, por onde o povo passa agora em segurança?
    E as casas de banho construídas, os telhados arranjados e outras melhorias aos carenciados e cansados de que fala?
    E os que grupos de cantares , de dança de teatro, musicais que nasceram desde que o PS é poder?
    E os eventos culturais levados a cabo na casa das Artes “Mário Elias”. Saberá o C láudio quantas exposições por lá passaram? Saberá quantas debates lá se fizeram em tertúlias?
    Saberá o Cláudio que Mértola voltou a estar no mapa pelo gigantesco trabalho feito pela Merturis (que a cDU queria encerrar), divulgando todas as nossas potencialidades? Caça,Turismo,produtos tradionais, gastronomia, eventos culturais, etc.?
    Mesmo em período de crise saberá quantos investimentos na área do Turismo Rural foram concretizados, com base na confiança que o PS local transmitiu aos investidores?
    E os apoios dados ao Campo Arqueológico e a outras Associações não teve conhecimento?
    E que contributo deu o Cláudio a este Concelho enquanto director dos Museus e enquanto munícipe, embora eleitor noutras paragens?
    Faria muitas mais perguntas , cuja resposta só pode ser o silêncio.
    Lamento profundamente que o Cláudio como homem da cultura que deveria ficar acima das querelas partidárias se tivesse deixado envolver em questões meramente pessoais, que nada têm a ver com as questões ideológicas. Por que se fossem estas as suas motivações, hoje o Cláudio estaria mais próximo das politicas do PS em Mértola do que as politicas da CDU enquanto poder nos últimos anos . Em áreas para a esquerda tão importantes, como a Saúde a Educação, A Social e o ambiente fizemos um trabalho elogiado e copiado por outros municípios do distrito, onde se incluem alguns da CDU.
    Deste seu amigo- Presidente Comissão Politica do PS

    ResponderEliminar
  8. Curioso, para alguém que lança ao ar a disputa de CV’s académicos, é o facto de numa pequena busca no GOOGLE nos aparecer o Prof. Dr. Cláudio Torres (que para quem conheça minimamente a progressão na carreira de docente universitário, se refere a alguém que é auxiliar convidado, note-se, sem Doutoramento nenhum), o Professor Doutor Cláudio Torres (aqui sim, já indiciando que afinal o sr. até terá o seu Doutoramento) e simplesmente Cláudio Torres. Depois, numa breve visita ao site do CAM, sendo-nos proporcionado o acesso ao CV dos seus colaboradores, surge-nos um outro Cláudio Torres, este apenas licenciado. Mas, atenção, está desfeita a dúvida. O sr. afinal é mesmo Doutor, mas Honoris Causa pela Universidade de Évora. Quão pretensioso fazer-se passar por Prof. Doutor, vide o seu CV no site da Universidade do Algarve (http://www.fchs.ualg.pt/BIGeral/BIGeral.asp?login=--ctorres) onde, para espanto dos mais atentos, nos dizem que o seu grau académico é “Doutoramento”. Não é, meus senhores! Este senhor é simplesmente licenciado. É, afinal, tão Doutor quanto o Treinador Doutor José Mourinho (Doutor Honoris Causa pela Universidade Técnica de Lisboa) ou o Tenor Doutor José Carreras (Doutor Honoris Causa pela Universidade do Porto).
    Mais do que mau carácter, este manifesto do Dr. Cláudio Torres revela uma enorme azia intelectual. Dos Professores Doutores em História que conheço e a quem em diversos momentos falei de Mértola e do trabalho do CAM, sempre obtive a mesma opinião: “Homem de azedume crónico que nem a si próprio por vezes se suporta.” Diga-se que um já era Professor Doutor quando o licenciado Torres se escapou de Lisboa. Mas eu não corroboro, apenas porque felizmente nunca me relacionei o Dr. Torres.
    A verdade é que Torres tem feito um trabalho muito pouco meritório à frente do CAM (não me refiro ao mérito do trabalho dos colaboradores/arqueólogos do CAM, mas sim à gestão do Dr. Torres). Não se percebe como, mas com todas as potencialidades do CAM, não parece encontrar-se outra saída para sobreviver que não seja o encosto à CMM. Não se vislumbra uma estratégia de marketing institucional (apenas pessoal do Dr. Torres). Não se vislumbra uma ideia para cativar o mecenato (e tanto ricos com ligações a Mértola). Não, nada disso. Mas atenção, há um mestrado em colaboração com a Universidade do Algarve. E que financiamento traz isso ao Campo Arqueológico de Mértola, quando as Universidades vivem na asfixia orçamental? Ou a Univ. do Algarve é tão generosa que para além do vencimento que paga ao Dr. Torres ainda financia o CAM?
    Quanto a matéria de política, Torres consegue algo que muito poucos conseguem, que é alimentar uma boa relação entre CDU e BE, do qual foi candidato nas últimas legislativas pelo distrito de Beja. Por Beja, atenção, quando o seu distrito é Viseu! Mais uma pedrada nos já tão estilhaçados telhados de vidro.
    Oh Dr. Torres, com a devida consideração académica, acha que tem mesmo que continuar a envolver-se em política? É que, na verdade, cada vez que o faz é mais um bocadinho de vidro que estala e, infelizmente, quem está por baixo é a sua equipa do CAM. Sim, por cada pedrada que atira aumenta a fragilidade do CAM, que começa a parecer mais uma máquina de suporte à coligação local CDU/BE do que um centro de desenvolvimento de saber.
    Digo-lhe sinceramente que me envergonha ter à frente de uma instituição tão relevante como o CAM alguém como o senhor. E isto não é azedume, é sinceridade!

    Ah, e repare que as interrogações são meramente retóricas. Não espero uma resposta. Sei que não tenho o estuto para receber as suas palavras!

    ResponderEliminar
  9. É CLARO, CLARAMENTE CLARO, QUE O PROFESSOR CLAUDIO ...NAO TEM RAZÃO !

    Não restam quaisquer dúvidas que JPV é o exemplo acabado do político filho ...d'Abril!...

    1º. Nunca JPV foi um "salta-pocinhas". PCP, PRD, PS...é natural. Nós conhecemos muitos que nem passaram pelo PRD - não tiveram tempo ou foram mais espertos.
    Querem que foi enuncie nomes ? Basta ver a lista dos que nos "desgovernam"...agora!...

    2º. JPV não foi um estudante mediocre. Essa condição está tornada regra. Tê-mo-los no topo da pirâmide.

    3º. JPV não é um homem ambicioso. É, simplesmente, um "empregado" do partido que melhor lhe paga. Do modo como as "coisas" começam a parecer q'estão, ainda acaba mudando de "patrão";

    4º. JPV não fez mais do que o que lhe encomendaram...e quando viram o barco a "afundar-se" mandaram-no "saltar"...naturalmente!...

    Mestre Gil Vicente, ímpar na arte de trabalhar os metais e de burilar as palavras, na sua admirável presciência, pressentiu, a cerca de 500 anos de distância, certas sinuosidades da política portuguesa do século XXI. Foi no entremez "Todo-o-mundo e ninguém", do Auto da Lusitânea...

    Tudo isto porque, em Portugal, a política se faz com o diz que diz-se, com meias palavras, com outras palavras, ...com números. E, é, assim, que, mesmo quando ninguém diz, "todo-o-mundo" julga ter ouvido.

    Agora, calcule-se o que o vicentino mestre da oratória faria com todo esta "vivência" que vimos observando ? Um renovado "Auto da Feira" ou, mesmo, uma segunda via da "Floresta de Enganos" !

    Com toda a generosidade e uma grande dose de ingenuidade, os bravos capitães d'Abril, inscreveram os seus sonhos em três DÊS:
    DESCOLONIZAR, DEMOCRATIZAR E DESENVOLVER.
    Já lá vão mais de 34 anos e os três Dês são, agora, outros:
    DESEMPREGO, DESIGUALDADE, DEPENDÊNCIA.

    Como se dizia nos idos da Revolução: "não foi para isso que se fez o 25 de Abril".

    ResponderEliminar
  10. Professor Cláudio é como quem diz! "professor convidado" da Universidade do Algarve, o que qualquer de nós pode ser desde que nos convidem. O que é, acima de tudo, uma questão de bons amigos ou amigãos!

    Como já foi dito, Cláudio é doutor "honoris causa" pela Universidade de Évora.RUI NABEIRO, o homem da Delta Cafés, também é doutorado "honoris causa" pela mesma Universidade .

    Como não se atreve a escrever Prof Doutor Cláudio Torres, faz assim: Professor (dos que são convidados)e Dr. Dá um certo sainete: Prof. Dr. Cláudio Torres.... Impressiona os menos incautos mas não faz mal! Presunção e água benta cada um toma a que quer.

    Numa coisa podemos aceitar: Licenciado Cláudio Torres (vulgo Dr.), licenciado pela Universidade de Bucareste onde foi radialista na Rádio romena (estatal, como está bem de ver).

    ResponderEliminar
  11. Não gosto de "entrar" em política, nem venho aqui defender quem quer se seja, até porque acredito que qualquer um dos dois se defenderá muito melhor do que eu.
    Como "mero" Mertolense, considero que estas "guerras" não trazem nada de novo, apenas porque não nos dão conteúdo algum. Independentemente da "força política" a que pertence, os comentários do Mário Martins trouxeram muito mais do que foi feito, ou do que falta fazer, ou daquilo que está por fazer, do que os 2 comentários feitos por Cláudio Torres.
    Tenho lido que pertence ao BE e que tem ligações à CDU. Não sei se é verdade, mas a ser, faria (para mim, claro...) muito mais sentido discutir exactamente o que foi feito e o que falta fazer, do que atacar fulano ou beltrano.
    Caro amigo Rui, uma vez que nestes comentários anteriores se falou muito de quem é Professor e de quem não o é, José Mourinho, antes de ser Doutor ou mesmo Treinador, é Professor, apesar de não exercer. Não o faz, mas poderia muito bem assinar como "Professor José Mourinho", tem habilitações suficientes para isso.
    Um abraço
    Markus

    ResponderEliminar
  12. Markus
    Quem tem conduzido toda a guerra tem sido o snr.Dr?Pro? Cláudio Torres. Quem não se sente não é filho de boa gente.E as respostas todas elas são civilizadas. Ela não atacou apenas o Cláudio ele atacou todos as pessoas que não se identificam politicamente com ele. Acho que a reacção do Presidente do PS foi um tiro certeiro. Como tiro certeiro foi a investigação sobre a formação académica do Cláudio, por parte do Rui Estevão. É preciso continuar e tem que se saber quais são as habilitações.
    Foi o Cláudio um dos grandes criticos sobre a licenciatura do Socrates. Afinal parece que há telhados de vidro bastantes frágeis.
    Será que o `"Público" tão célere em investigações vai fazer também esta?

    ResponderEliminar
  13. Caro Bresnev
    É por estas e por outras que não gosto de "me meter" em política... a facilidade com que somos mal entendidos, ou com que não nos fazemos entender, é enorme...
    Vou tentar novamente... eu não quis de forma alguma dizer que Cláudio Torres estava a ser atacado, como também não quis dizer que seja quem for estava a ser atacado... tenho consciência de tudo aquilo que disse... o que eu quis dizer é que estes comentários (leia-se actos políticos) como o que Cláudio Torres fez não levam a lado nenhum, merecendo pouco mais que desprezo...
    Espero ter sido mais claro desta vez...
    Um abraço
    Markus

    ResponderEliminar
  14. Ninguém poderá ter a coragem de afirmar que o "Botas" não estava habilitado...tampouco o senhor da serra algarvia...e todos conhecemos o de que nos serviu...

    Essa de ter ou não ter habilitações já parece pretexto... à falta de melhor argumento.

    És capaz, cumpres ? Logo, estás habilitado !...

    Esse é o nosso entendimento de habilitações.

    Em tempos, o nosso 1º. anunciou: "não vou virar à esquerda nem à direita".

    Bem, julgamos nós: será que o nosso 1º. tem a direcção bloqueada ? O "chassis" empenado?

    O melhor será o nosso 1º. levar o carro à revisão. Cogitamos nós, na singeleza do nosso entender.

    O nosso 1º. manterá a mesma opção de "não virar à esquerda, nem à direita", no caso de chegar à beira do abismo ?

    Nunca soubemos se o carro foi revisto.

    Agora, já não queremos saber.

    ResponderEliminar
  15. Este literato aqui de cima aproveita tudo para malhar nos seus objectos de culto. Mas fá-lo sempre de forma pouco séria porque assente em impressões, entendimentos, sensações,preconceitos: a nosso ver; o nosso entendimento, achamos que; parece-nos que...

    Vê tudo a preto e branco, de um lado os maus do outro os bons. E ele, santinho, tem a veleidade de se pôr do lado dos bons.Ora não !!

    Não apresenta um argumento que valha o nome.
    Ao menos podia sustentar certos pontos de vista que repete até à exaustão com razões válidas. Em abono da seriedade intelectual que pretende ter, ou que devia ter.

    Mas não. Deram-lhe este papel secundário na peça e ele agarra-o febril para mostrar serviço. Triste fado.

    ResponderEliminar
  16. Pela substância da prosa se vê antes a fraqueza do mestre
    e fortes são os discípulos que não temem contrariar os mestres

    I
    Este manifesto anti-Pulido, pra Bejense ver, serve a propósito a quem se vê ameaçado no seu status.
    A CDU está assim tão mal em Beja que sente falta destas porcarias para fazer política?Vale tudo pra se manter? Desce ao grau zero? E pede ao bloquista e grande pai de Mértola Cláudio Torres um favor destes? Já não tem à mão quem lhe preste melhor serviço? Dissidiram assim tantos ??
    Longe vão os tempos das maiorias absolutas.

    II
    Se Pulido Valente ganhar em Beja, o que se duvida, espera-se que não repita o erro que teve em Mértola: a manutenção dos mesmos comensais.
    Porque o resultado dessa decisão, laivosamente democrática, suportada no (não faças aos teus adversários o que eles a ti te fizeram), está à vista, também com esta amostra de agradecimento do mestre
    O que seria se há oito anos (quando ganhou em Mértola e ao mestre) o discípulo Valente o tivesse olhado de frente e lhe tivesse dito: “Acabou ! A partir de hoje vais pregar pra outra freguesia! Entregas a ferramenta, não levas nem mais um tusto e desapareces-me da frente!”
    Mas não disse. O discípulo não teve tomates! Não quis confrontar-se com o mestre.Preferiu antes protocolar. E vá de cerimónias para assinatura de protocolos. E acabou protocolando com todos os que sempre lhe morderam nos calcanhares, de preferência. Fê-lo de forma obsessiva contrariando os mais elementares princípios da manutenção do poder.
    Ingénuo !?

    III
    “A Oganização (que atribui o Prémio Pessoa) pretende com este Prémio contribuir anualmente para o alargamento e o aprofundamento da obra de tantas pessoas portuguesas, umas mais conhecidas outras menos, que necessitam e merecem ser encorajadas para fazer mais e melhor.” sic

    Passados tantos anos, se isto – o frete feito à CDU/Beja com esta carta - é também o resultado desse encorajamento para fazer mais e melhor, então abençoado Prémio Pessoa e abençoado júri que tais incentivos deu.

    IV
    “A Grã Cruz da Ordem Nacional do Infante D. Henrique visa distinguir os que
    houverem prestado:
    Serviços relevantes a Portugal, no País e no estrangeiro;
    Serviços de expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, sua história e seus valores.” sic

    Percebe-se que Cláudio Torres presta assim com esta epístola mais um brilhante “serviço para conhecimento de Portugal, sua história e seus valores”. Ainda bem!

    A Ordem (que não foi rejeitada), não é mais do que uma recompensa e, recorde-se, foi atribuída em 1993 a Cláudio Torres pelo então Presidente da República Mário Soares.
    Político aliás cujo percurso, mormente pós 25 de Abril, é um exemplo tristemente edificante das sinuosidades da política que o Partido Socialista tem aplicado no nosso país. Ou não fosse ele o pai de tal "grupelho fascistóide ereaccionário". Digo eu.

    ResponderEliminar
  17. Ao ilustre Contramina:

    É claro que se o sr. "contramina" tirar as vendas - e sei que é capaz de o fazer - vai ver que anda a olhar o que não é, vê o que não vê e "ofende" quem não deve...

    Todos sabemos, mesmo os que o não querem, que o Claudio está a anos luz do JPV.

    JPV é aquilo que todos vimos vendo. O Cláudio é um homem de corpo inteiro. UM HOMEM !...

    Já agora... digo eu.

    ResponderEliminar
  18. "UM HOMEM DE CORPO INTEIRO"!

    Se não lhe faltar alguma peça, digo eu...

    ResponderEliminar
  19. Ao Martins"
    Distância entre Pulido Valente e Cláudio;
    Homen corpo Inteiro

    Primeira questão estamos de acordo Cláudio está a anos de luz de JVP. De facto o que cada um tem feito e ainda tem para fazer, duvido que o Cláudio possa chegar alguma vez perto de JVP. JVP apesar de discipulo ganhou dianteira ao mestre que nunca mais o apanhará;
    Homem de corpo inteiro estamos em desacordo. Começando pelo cérebro o Cláudio tem o divido em três partes o que desde logo desfaz a tese do Homem de corpo Inteiro.
    O pensamento sobre o BE, A CDU e PS faz do Cláudio um homem dividido.Depois a sua prática não é coincidente com as suas teses.
    Como diz o Trastangano, não é uma questão de faltar uma peça, mas sim de ter algumas danificadas.
    Aqui temos um bom exemplo que nem sempre o mestre é melhor que os seus discipulos.
    E o mestre devia estar feliz pelos seus disicipulos: Pulido, Santiago, Virgilio e outros que por aqui passaram... mas ele não gosta.

    ResponderEliminar
  20. Um HOMEM não toma atitudes destas, não ofende os seus discipulos. Há duas hipoteses ou o JPV é efectivamente um discipulo fraco o que significa que o Cláudio se rodeou de discipulos fracos (JPV, José Carlos Oliveira, Boiça, Luis Silva, Santiago Macias, Virgilio Lopes etc), ou é um discipulo forte, mais forte que o Mestre e por isso é necessário "rebentar com ele" a todo o custo.
    Alguns desses discipulos sei que se sentem ofendidos com a atitude do Mestre, pouco digna e mesmo pouco inteligente, um autentico tiro no pé. Só se revê nesta atitude e neste texto, gente "pequenina" e que faz politica de baixo nivel.

    ResponderEliminar
  21. Ao não menos ilustre Martins

    Saberá concerteza que os antolhos – aquelas palas que “todos vimos vendo” que você mostra usar quando zurze obstinadamente e sempre no seu ódio de estimação (esse tal Pulido) – possibilitam uma visão parcial e direccionada, e são, sabe-o bem, um vulgar paramento, chave no processo de admissão da igreja de que faz parte.
    Lamentavelmente você insiste em mostrar que só vê o que lhe mandam ver, escrevendo o que mais convêm à agremiação que o mandou acampar na área.
    Mas nem com OMO conseguirá branquear o miserável legado da sua CDU e já só tem mais três meses para mostrar o que vale.

    E deixe o mestre Gil em paz!
    Essa matriz literata que você saca e põe em cena para ofuscar, à míngua de argumentos concretos e terrenos, é de um provincianismo que o põe a rídiculo.

    Porque toda a gente já percebeu que a figura “que vimos vendo” você fazer encaixa na perfeição em “todo o mundo”, a continuar nesse registo “ninguém” futuramente achará piada a cada entremez que lhe encomendem.

    Sem ofensa, digo eu.

    ResponderEliminar
  22. Depois de tudo isto só me apetece dizer: "graças a deus que não pratico nenhuma religião"!...

    Se o Governo se lembrasse de decretar um Dia sem Hipocrisia, no dia seguinte começava a guerra civil.

    Bem hajam e ... façam o favor de ser felizes.

    ResponderEliminar
  23. Outros títulos possíveis:
    "Raízes no PC olhos no Bloco de Esquerda"
    ou ainda:
    "Raíze no Campo Arqueológico olhos na plítica"

    ResponderEliminar
  24. Eu sempre gostei mais de mulheres, por serem muito mais acertivas, mas não só. Também, porque sim... E, fundamentalmente, por ter tido a melhor mãe do mundo...

    A Maria Prazeres tocou no ponto...mas... só tocou.

    Outros, todos os outros, limitaram-se a "babujar".

    Provavelmente,- agora é costume dizer-se, alegadamente -, é só o que sabem fazer...

    É a vida.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  25. Não é uma questão de ser acertiva, basta pensar que o Dr. Cláudio Torres tem efectivamente, em termos políticos:
    "Raízes no PC olhos no Bloco de Esquerda ou no PC (quando lhe convém)"
    Em termos curriculares
    "Raízes no Campo Arqueológico olhos na política".
    Penso mesmo que se poderá dizer "O HOMEM passou-se".
    Se calhar estou enganada e "O HOMEM" é um visionário, que tal como Almada Negreiros, nos seus 23 aninhos, escreveu o manifesto anti-Dantas, ao Claúdio só lhe despertou a veia poética um pouco mais tarde e perdendo a originalidade.
    O manifesto anti-jorge não é tão engraçado.

    ResponderEliminar
  26. Eu é mais gajas ... de todas as cores.

    Quanto ao resto, reconheço que é impossível fazer alguma coisa de útil à prova de imbecis, porque os imbecis são extremamente engenhosos... alegadamente.

    Digo eu

    ResponderEliminar
  27. Gostei...só lamento não concordar.

    Mas, não concordando, sinto que a Maria Gustava olha as "vistas" com um olhar que, a tantos, bom seria saberem apreciar.

    E, isso, por ser o seu modo de ver, a sua verdade, o seu sentir que está certa, não é, não pode ser, nunca, razão, para que comecemos a dizer disparates...

    Discordar, ao contrário do que se cultiva, é bom, é salutar e, quiçá, esclarecedor.

    Porventura, é através dos desencontros que...nos acababos encontrando.

    Como diz a sabedoria popular "é a falar que a gente se entende".

    Obrigado pela franqueza singela destas suas palavras.

    Cumprimentos.













    Cultive essa forma de ver e , num destes dias, vai dar-se conta de "vistas" que, jamais, julgou ser capaz de observar.

    E todos nós sabe

    ResponderEliminar
  28. Maria
    De facto não é uma questão de ser aSSertiva "como vimos vendo" minha querida amiga.

    Mas eu a si ainda lhe perdoo o pontapé

    ResponderEliminar
  29. O Mina é do contra..

    Acerto: acto ou efeito de acertar; ponderação; prudência; tino...isso...tino.

    É claro que foi esse o sentido...

    Mas...se o Mina é do contra...

    ResponderEliminar
  30. Declaração de interesses: o Contramina é antes de tudo português! Contra mas Português!

    E só depois é que é Contra todos aqueles que nos querem comer por parvos só porque aqui é a parvónia.
    Acham eles! Os espertos! "Como vimos vendo"

    Mas você saiu-me cá um semântico do caraças ó Martins!!
    E contumaz!!
    É cada tiro cada melro, homem !!

    Se ao menos citasse um “simples” autor dos nossos (português, claro), para suportar a sua "teoria".

    Seria útil a indicação de vários. Mas um desgraçado ao menos pra amostra, não sendo grande coisa já calava quem o traz assim incomodado.
    Quer dizer ... um assim qualquer que tivesse usado o termo... mesmo por descuido .... quer dizer ...(mas não vale trazer práqui a liberdade poética!!)

    E andaram os trabucos do Chico Torrinha mais o Houaiss e o Zé Machado moendo a cabeça com tanto empenho uma vida inteira pra nada.
    Um trabalho inacabado à luz dos mais recentes neologistas.

    Tá à vista ilustre Martins que a sua militante falta de humildade “como vimos vendo” não esconde o tamanho da calinada, antes a arredonda.

    Na forma acertada de uma leve penitência ficava-lhe bem ter consentido o lapso.
    Logo à primeira. Tinha-lhe assentado com acerto!!
    Os Grandes também erram homem!!
    Até uma desculpa género "o meu teclado ainda é hcezarop" passava.
    Mandava a boa higiene mental que matasse o assunto!!
    Ainda mais em quem mostra mergulhar, alegadamente, nas águas profundas de mestre Gil

    Mas, “como vimos vendo” de si, seria impensável admitir o dislate ante a parvónia local (de que todos fazemos parte)... à excepção do ilustre, claro!

    É claro que foi esse o sentido ????....
    Uma ova !!!

    ResponderEliminar
  31. Calma Contramina. Tanto lhe deste que acabaste com ele. Primeiro o Costa Pereira, depois o martins, mas comigo não te safas.

    ResponderEliminar
  32. #bresnev
    Mas já aí anda o JEP à força toda.

    Menos semântico ... mas mais pedante e narcisista.
    Anda a ler Freud.
    Manias! Ainda se passa ....

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.