Vamos falar de


quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Presidente da Câmara de Sines abandona PCP


Manuel Coelho diz que PCP está "esclerosado" e é "reaccionário"

Cisão.

Autarca de Sines põe fim a 35 anos de militância comunista

Depois de um ciclo de "acusações absurdas, idiotas e insuportáveis", que se adensaram nos últimos meses, o presidente da câmara municipal de Sines, Manuel Coelho, eleito pela CDU há três mandatos consecutivos, anunciou ontem, a sua desvinculação do PCP.

O autarca, militante do Partido Comunista Português há 35 anos, diz-se "exausto" e vítima das "sucessivas práticas de cerco e tentativas de obstrução a tudo o que não esteja de acordo com os cânones do partido e o acolhimento dos responsáveis locais".

"O partido está impregnado de um conjunto de características típicas de organizações dogmáticas, com disciplina de caserna, o que o torna numa organização estalinizada, esclerosada, com práticas reaccionárias, envolvidas num discurso pretensamente progressista, mas de facto, retrógrada", acusou o presidente sineense, em conferência de imprensa.

A 'gota de água' deu-se aquando da assinatura do contrato de execução entre o Ministério da Educação e a câmara municipal, decisão essa que vai contra as orientações nacionais do PCP, e desde logo foi considerada como uma afronta.

"Sobre isto, ainda me aconselharam a ter uma atitude trapaceira, dando o dito por não dito, e voltando atrás com a minha decisão, mas não aceitei", garantiu.
Com o caso, "atingiu-se um clima de esquizofrenia política" e desencadeou-se todo um processo de perseguição e "desacreditação do presidente", que contou com a colaboração do vice-presidente da autarquia, Albino Roque, também eleito pela CDU, destituído do cargo ontem, em reunião extraordinária de câmara.

Manuel Coelho transferiu todos os pelouros atribuídos a Albino Roque, distribuindo-os pelos restantes vereadores comunistas seus apoiantes, justificando que o ex vice-presidente tinha "uma actividade de seguidismo militante" e já não reunia condições de lealdade para continuar a fazer parte da sua equipa.

Nos últimos tempos, o autarca afirma ter vivido num permanente "ambiente de suspeição" por parte do partido, que chegou a questionar a sua participação em "cerimónias com o senhor primeiro-ministro", o significado das suas entrevistas sobre o interesse dos investimentos feitos em Sines, ou o porquê do convite ao Presidente da República, Cavaco Silva, por altura da inauguração do Castelo.

"O PCP entende que é dono das coisas e que temos que ter uma subordinação cega e acéfala às estratégias nacionais e o resto são instrumentos ao seu serviço, mas eu não concordo", apontou Manuel Coelho, que já garantiu que não vai colocar o cargo à disposição.

Renunciar, sustenta o autarca, significava dar razão ao PCP, que "defende que o lugar é do partido". "Fui eleito pelo povo e é ele o principal responsável pela expressão eleitoral conseguida e não os vou defraudar em nome de uma tese partidária", assegurou.

O autarca desavindo frisou ainda que a sua decisão não pretende ser "um passaporte para o ingresso em qualquer partido ou organização do quadro actual do país", vincando que apenas se quer "sentir livre" para poder "agir politicamente" de acordo com a sua visão e "convicções".
In Diário de Noticias
ANA MARQUES, Sines
MIGUEL A. LOPES-LUSA

18 comentários:

  1. Num blog tão imparcial feito este, é engraçado não aparecer a manchete do público on-line de hoje!
    - Autoridades inglesas consideram Sócrates suspeito e querem ver contas bancárias do primeiro-ministro.

    ResponderEliminar
  2. @anónimo de cima
    Inscreva-se no blog, e publique aquilo que entender, a manchete do publico, o caso Freeport, tudo o que quiser. Entretanto eu publico aquilo que quero, aquilo que acho interessante, aquilo que acho piada e pelos vistos aquilo que você não gosta.
    O convite para tornar o blog ainda mais imparcial, fica feito. Fico á espera do pedido de convite, obviamente com a sua identidade.
    Cumprimentos imparciais.
    :)

    ResponderEliminar
  3. Sobre a situação na Câmara Municipal de Sines


    Em nota a Comissão Concelhia de Sines do PCP esclarece que «a decisão anunciada pelo Presidente da Câmara Municipal de Sines de se demitir do PCP culmina um processo de repetidos gestos e decisões contrários ao projecto da CDU e de injustificada aproximação a objectivos e propósitos da política do Governo PS para a região e para o país.» A decisão anunciada pelo Presidente da Câmara Municipal de Sines de se demitir do PCP, culmina um processo de repetidos gestos e decisões contrários ao projecto da CDU e de injustificada aproximação a objectivos e propósitos da política do Governo PS para a região e para o país.

    A retirada da Vice-Presidência, dos pelouros e do tempo inteiro ao vereador Albino Roque é expressão da manifesta dificuldade do actual Presidente da Câmara em conviver com as críticas, constituindo um acto gratuito de retaliação política que se traduzirá num empobrecimento do funcionamento colegial da Câmara Municipal e em prejuízo do concelho e da população de Sines.

    A manifesta diferença de posicionamento político e a clara ruptura com as orientações e o projecto do PCP exigiriam que, no respeito por valores e princípios de ética e honestidade política, o Presidente da Câmara pusesse à disposição da força política que o elegeu o cargo que exerce.

    Face à disposição do actual Presidente da Câmara de se manter agarrado ao poder, usurpando um cargo que no plano político não lhe pertence, o PCP reitera à população de Sines o seu empenhamento em prosseguir uma intervenção e um trabalho que centenas de eleitos da CDU, em sucessivos mandatos desde o 25 de Abril, realizaram para dar resposta aos problemas das populações e assegurar um rumo de desenvolvimento e afirmação do concelho de Sines.


    Acho que é importante saber...

    ResponderEliminar
  4. Realmente estes PCs, ou são líricos ou debéis mentais.Então o Presidente da Camara de Sines ou qualquer outra é eleito apenas porque é do partido A ou B? Então e a pessoa, digo o candidato, a sua competencia o seu carisma, o seu trabalho, as provas dadas, não valem nada? Porque será que o lugar é do partido e não do homem que foi a sufragio?
    Mas afinal quando é que os partidos e em particular o PC, deixam de querer mandar nas Camaras nas juntas nas associações etc etc. Que mafia é essa?
    Quanto ao Senhor Presidente da Câmara de Sines, gostava que explica-se onde andou a sua cabecinha durante 35 anos, tempo de militancia no PC.Não me diga que não viu logo a "Democracia" do PC, que diabo são cegos, surdos para não verem o obvio? Seja como for mantenha-se no cargo que é seu e não da porra da máquina PC.E parabens por embora tarde os mande a fava.Exerça clinica geral e venha para Mértola, dirigir o Centro de Saúde, ao menos temos um gestor.

    ResponderEliminar
  5. Aqui está um exemplo vivo do que é o Partido Comunista, que coloca primeiro os interesses do partido que os interesses do concelho, neste caso Sines, noutros tempos foi Mértola, aqui está a prova para os que não querem ver a realidade, é assim o Partido Comunista.
    Para que vejam

    ResponderEliminar
  6. São mesmo muito esquecidos ou sofrem de cegueira, recentemente aqui ao lado em Almodovar um vereador do PSD, imcompatibilizou-se com o presidente e bateu com a porta, em Beja o vereador Monge do PS mudou de camisola passou para a CDU, Fátima Felgueiras foi o que se viu, Valentim Loureiro Isaltino Morais enfim ,... Quando são do PCP tem outro sabor não é? Deixo outra questão para os defensores dos grandes cérebros insubestituiveis? quem faz as campanhas, quem dá a cara por eles, os restantes elementos da listas não valem. Temos que dizer não as estes senhores prepotentes que depois de estarem nos lugares julgam-se donos dos mesmos desprezando quem muito contribuiu para a sua eleição. Não esqueçam os que agora estão muito contentes do PS PSD ou outros, este é um mal que a qualquer momento pode bater à vossa porta, por isso não atirem pedras. Os votos são das listas são são propridade individual dos candidatos, se correr bem são eles os maiores se der para o torto são os Partidos, se não querem ter que prestar contas candidátem-se como independentes, ai sim os projectos são individuais.

    ResponderEliminar
  7. ao anonimo das 10.25.
    Não tentes atirar com areia aos olhos dos outros e muito menos afrontar a inteligiencia dos outros(coisa que não abunda pelas hostes do PC, con raras excepções, dado que nesse partido não se pretendem pessoas muito inteligentes para saberem menos que o Chefe Jeronimo, que nessa materia é o que sabemos).Com efeito no PC, ninguém pode pensar pela sua cabeça(é tudo!)a não ser que esteja clonado com a cabeça do chefe.
    OS PSD, estarão queimados com as ciganices dos bancos, Os PS, com os Freports, ali não há santos, mas voces senhores, quando é que começam a acreditar na democracia?
    Quando é largam a Coreia do Norte e outros?

    ResponderEliminar
  8. São sempre extraordinários estes "despertares tardios".
    E têm até o seu quê de divertido...
    Não creio que o assunto mereça a atenção que se lhe tem dado a nível nacional.
    O PCP dá "ordens" aos autarcas? Claro que sim. O mail que recebi esta manhã do Comité Central ordenava: "hoje ao almoço vais comer choquinhos gratinados!". Assim fiz.

    ResponderEliminar
  9. A inteligência sobrou toda para ti, fica com ela que eu fico com as minhas convicções e a minha burrice, mas nunca te esqueças que Roma não paga a traidores.

    ResponderEliminar
  10. Qual é a dúvida? o partido é que manda.
    Parabens ao Sr. Presidente da câmara de Sines, veio demonstrar-nos uma realidade que não parece dos tempos actuais, mas que ainda rege o PCP.
    O Partido é que manda e primeiro que tudo o partido.
    Há que estar contra, contra o que faz o Governo, especialmente se for do PS, é assim que o partido quer e os eleitos têm de obedecer.
    Em Mértola pelo que sabemos o partido sempre mandou, e por isso Mértola ficou parada, não interessava o desenvolvimento, importante era o partido poder continuar no contra.
    PC não obrigado!

    ResponderEliminar
  11. Três notas:
    Sines não tem comparação com freeport.Freeport até agora é ficção Sines é realidade.
    Realidade porque o PC diz que o mandato é do Partido e não das pessoas eleitas. Santiago Macias com a sua independência diz "claro que sim" o partido dá ordens.Pode dar orientações não ordens.Cada vez se comprova que é mesmo o PC que manda à revelia dos interesses das populações.
    No nosso caso em Mértola é simplemeste mais do que eveidente.O PC manda obstruir Pnte Pomarão e aí vão obedecer. Manda votar contra emnpréstimos para saneamentos e centos educativos e eles votam.Mandam votar contra a ERT do turismo e eles votam contra.Mandam votar contra adesão águas de Portugal e eles votam.
    Não tenho nada contra mas os eleitos comunistas têm que dizer as populações que não são eles a decidir é o Partido.
    Mas o preocupante para o PC é que Caeiros em castro, José Godinho em Aljustrel, Carlos Sousa em Setubal e talvez chico Santos em Beja já são muitos estragos.
    Mas eles preferem ver a sol pela peneira e isso é lá om eles.

    ResponderEliminar
  12. Grande Coelho. É preciso ter coragem para não ter medo de quem mete medo.O PCP usa e deita fora.Coelho é mesmo um homem de convições e do povo.Este dá consultas no Gabinete e não leva dinheiro.
    Lá se vai mais uma subvenção.

    ResponderEliminar
  13. Vocês já estão a esfregar as mãos de contentes mais um traidor para somar ao Pina Moura, Mário Lino, Osvaldo Castro etc... qualquer dia o PS só tem ex PCs JSDs e os Socialistas vão para outras paragens

    ResponderEliminar
  14. Concordo com o ánónimo que diz "Sines não tem comparação com o freeport", claro que não tem. Sines, a ser verdade o que o Sr. presidente da Câmara diz, é um caso politico, relevante, mas politico. Freeport, a ser verdade o que dizem os jornais, é um caso de policia. Sines, a ser verdade, tem a ver com uma autarquia e o partido pelo qual o autarca foi eleito. Freeport, a ser verdade, tem a ver com o país inteiro, e com o descrédito da classe politica, em geral.
    Jamais darei opinião sobre o processo de investigação criminal relacionado com o freeport ou com qualquer outro assunto que esteja sob invetigação e para mim todos são inocentes até sentença condenatória transitada em julgado. Mas uma coisa é certa o primeiro ministro de cada vez que fala diz coisas diferentes, a única que não se cansa de repetir é a da teoria da conspiração, e que tudo isto lhe fica muito mal, fica. Onde é que já se viu uma alta figura do estado colocar em cusa as instituições que devia defender?! Neste país todas as suspeitas sobre os grandes são cabalas, quando é sobre os pequenos são todos culpados e nem se podem defender em condições porque não têm dinheiro para pagar ao advogado e nem sequer têm, na maioria dos casos direito a apoio judiciário, porque neste país para ter esse direito é preciso ser praticamente indigente. Ao contrário dos politicos, como é o caso da Fátima Felgueiras que, dizem os jornais, já gastou 260 mil euros em advogados, todos pagos pela Câmara, e depois digam lá se o Medina Carreira não tem razão.
    Por falar em fantochada não deixa de ser estranho que as crises entre o autarca de Sines e o PC tenham tanta importância para os mertolenses enquanto que as, alegadas, suspeitas sobre o primeiro ministro não tenham nenhuma. É tipico...calados que nem ratos, como diria o outro...
    Da minha parte faço votos para que ambas as situações não passem de tristes episódios, pois que não concordo que sejam os partidos a decidir pelos autarcas e muito menos que ministros recebam "luvas". E espero que, em relação ao caso freeport, seja apurada toda a verdade e que o sr. esteja inocente, pois que apesar de não nutrir por ele qualquer simpatia, se tal não acontecer será um rude golpe na nossa, já tão frágil, democracia.

    ResponderEliminar
  15. Maria José, como é que os ceguinhos do PC, ainda não descobriram que em si tinham a candidata ideal.
    Com o sangue na guelra que tem e ainda bem, desconfio que faria o mesmo que o coelho de Sines, não consigo ve-la albardada pelo PC, mas que é a unica que poderia mandar o PS para a rua, não há duvida.
    E quanto ao autarca de sines, quem tem para si razão? O Partido ou o autarca?

    ResponderEliminar
  16. anónimo 5/2/09 4:09

    Estou de acordo consigo ao dizer que a Dra Maria José Henrique seria a candidata ideal para a CDU e não tenham dúvidas que venceria o Dr Jorge Rosa.

    ResponderEliminar
  17. Edmundo Pedro: há quem não se pronuncie no PS porque tem medo
    05.02.2009 - 09h11 PÚBLICO



    O histórico do PS Edmundo Pedro afirmou ontem numa reunião socialista na sede do partido, no Largo do Rato, em Lisboa, que dentro do PS há quem não se pronuncie sobre a vida interna do partido porque tem medo."Verifiquei um total desinteresse, generalizado, notei outro fenómeno de pessoas que estão no aparelho de Estado que me diziam 'não posso pronunciar-me, porque tenho medo'; não é admissível no partido”, disse o militante histórico na reunião que serviu para debater a moção de José Sócrates ao congresso socialista, no círculo lisboeta.
    "Sou provavelmente a única pessoa interessada em discutir numa sessão de debate entre moções, aberta, as questões de governança interna e de pequena ou micro escala de um partido político", disse. Mas, segundo a TSF, a tentativa do histórico esbarrou na mediação feita por Augusto Santos Silva, que preferiu canalizar a discussão para a crítica externa."Eu cá gosto é de malhar na direita e gosto de malhar com especial prazer nesses sujeitos e sujeitas que se situam de facto à direita do PS. São das forças mais conservadoras e reaccionárias que eu conheço e que gostam de se dizer de esquerda plebeia ou chique", afirmou.

    ResponderEliminar
  18. Manuel Alegre, Edmundo Pedro, Henrique Neto, já são muitos a dizer aquilo que, afinal, todos nós sabemos, o PS tem instaurado um clima de terror nas pessoas, bem ao estilo de qualquer ditadura, o Jorge Coelho tinha razão: quem se mete com o PS leva! Agora é o ministro Santos Silva que diz que gosta de malhar, francamente... e é nas mãos de gente desta que nós estamos?! Grandes democrátas! Diz-nos o sr. primeiro ministro que o PS é um partido de esquerda progressista, pois que defende ideias como a regionalização e o casamento entre homossexuais, então mas não foi ele e a sua maioria acorrentada que chumbou a proposta de lei que permitia o casamento entre homossexuais?! Ah pois, há 2/3 meses não era a altura certa, quando o sr. Sócrates disser é que é e pronto! Afinal ele é que manda...Depois ainda dizem que só no PC é que há papões?! Dizia Henrique Neto hoje, em entrevista à SIC noticias, que as pessoas "têm medo de falar", porque será? Deve ser, certamente, porque, no PS vigora o princípio da liberdade de expressão... e porque esse tipo de medo é tipico dos tachistas, pois porque o verdadeiro medo é o de perder o tacho, é o de não fazer parte das próximas listas, que tragédia! É por isso é que não me canso de repetir publicamente o apreço que tenho por uma socialista, Drª Eugénia Alho, que não tem medo, diz o que pensa, não é politicamente correcta, não se deixa albardar pelo PS ( sim, porque pelos vistos o PS também albarda) e age de acordo com a sua conciência, se não fizer parte das próximas listas, não faz; se o PS Mértola não tem apreço por ela, não tem, paciência. É de gente que não se deixa albardar que Mértola precisa e não de gente que usa albarda por natureza...

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.