Vamos falar de


quinta-feira, 24 de abril de 2008

Fórum - Mértola Capital Portuguesa do Diálogo Intercultural

21 comentários:

  1. viva o 25 abril26/04/08, 16:41

    Isto parou no 24 Abril???
    Quéisso pá?
    Já aí um ganda cartaz do 25A pa comemorar a data meu !!
    Atão pensas que no 24A fazias blogs e dizias umas merdas tipo cenas pá frentex numa de livre e a amandar pra cima?
    Nem penses ...

    ResponderEliminar
  2. O espaço á livre. Podes sempre pôr aqui os cartazes que quiseres. Sózinho é que não dá para tudo!
    VIVA O 25 DE ABRIL.

    ResponderEliminar
  3. Com o resultado de Bom com Distinção, a assistente social alentejana Manuela da Luz Martins, defendeu no ISSSL em Lisboa a sua tese de Mestrado, sob a orientação de Alcina de Castro Martins.
    O objecto da tese "A Questão Social no Município de Mértola : Estratégias de enfrentamento ( 1890-1926), mereceu os maiores elogios da Banca Examinadora.

    Deixamos o resumo deste Trabalho

    "Esta dissertação resulta das reflexões produzidas no âmbito de um estudo qualitativo cujo objecto de análise, a “questão social” e seus enfrentamentos no município de Mértola, no período republicano, foi abordado segundo algumas determinações teóricas e históricas para circunscrever o que se entende por “questão social” e as “doutrinas” político-ideológicas do republicanismo para legitimar as práticas sociais que se foram construindo no enfrentamento da “questão social”.
    A História e o Serviço Social foram áreas que precisaram a concepção desse aporte teórico através dos contributos analíticos de vários autores de que destacamos, Martins, Martinelli, Netto, Iamamoto, Marques, Oliveira, etc.
    De acordo com essas “compreensões”, foram definidas três dimensões analíticas no sentido de enquadrar e dar significado(s) ao nosso objecto empírico: i) os diferentes contributos teóricos da História Política e Social e do Serviço Social que têm sustentado a concepção de “questão social”; ii) as ideias, os projectos que concorreram para legitimar a identidade socio-política e histórica do republicanismo e iii) a “questão social” em suas conexões com o republicanismo, mais especificamente, no que se refere às estratégias que configuram as lutas operárias, a acumulação de pobreza e, consequentemente, as práticas sustentadas pelas demandas do poder político que concorreram para o enfrentamento da “questão social”.
    As conclusões a retirar enquadram-se nos grandes eixos de orientação política e legislativa da República. Com efeito, tanto a “questão social” em suas expressões sociais, quanto a forma como o movimento operário emerge e os serviços de assistência foram sendo (re)construídos no município, reflectem grandemente as concepções e preocupações políticas e legislativas então em ebulição.

    A ascensão dos republicanos ao poder no município é acolhida pelo proletariado com entusiasmo e satisfação, embora num assumir de pressupostos liberais acabe por violentar e dissipar a esperança que lhes havia alimentado, ao desenvolver mecanismos de controlo e dominação que favoreciam linearmente os “capitalistas”, num cenário impregnado de elementos coercivos e repressivos.
    A esses mecanismos de controlo e dominação sucederam-se outros de igual importância que alteram e impõem novos contextos de relações sociais no exercício da assistência local. Valendo-se da “embriaguês” da laicização, o poder republicano em exercício no município revelou de imediato sua hostilidade política perante a Misericórdia de Mértola - “Catedral da caridade” ao abrigo do “manto” valorativo da Igreja - e gestou a Comissão Municipal de Assistência Pública do Concelho de Mértola que passou a ocupar o espaço privilegiado de referencial da assistência no município, ao determinar o percurso de toda a prática beneficente.
    Ainda a coberto do já referido processo de laicização, novas organizações e formas de operacionalizar a assistência são geradas no município na esfera do ensino e da instrução. Destaca-se pelo pioneirismo e importância das iniciativas desenvolvidas a Cantina Escolar Marques Duque.
    Situando dialecticamente todos os elementos aqui expostos e denunciados, revela-se um quadro compreensivo que reforça a importância e protagonismo dos actores locais no enfrentamento da “questão social”, embora os contextos de relações sociais que se geram entre as diferentes forças em presença realce permanentemente um quotidiano de conflituosidade assente em formas de dependência e dominação.

    Palavras-chave: assistência; enfrentamentos; mértola; “questão social”; republicanismo; organização proletária.

    »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

    estas noticias merecem ser divulgadas não é SrºCarlos?

    ResponderEliminar
  4. @anónimo das 1/5/08 7:29 PM
    Estas noticias merecem ser certamente divulgadas. Seria no entanto bem mais interessante que além du divulgadas num comentário anónimo o fossem num comentário assinado ou melhor ainda num "Artigo" assinado e com o devido destaque, coisa que pode fazer se se inscrever como participante no Blog. Este é um espaço aberto a todos.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  5. Não conheço a senhora que produziu a tese e pelo resumo publicado não a quero conhecer. Deve haver milhões de páginas de teses em arquivo e bastante mais originais que essa. Não tragam isso para as caixas de comentários dos blogues. Se a moda pega isto perde a graça.
    Cumprimentos a todos aí em Mértola

    Abraços de Beja

    ResponderEliminar
  6. pró joão e disse

    preferes então que o espaço do blog seja preenchido com textos que se confundem com diarreia cerebral?

    ok!
    tragam HARPIC.........

    ResponderEliminar
  7. Não, não quis dizer isso, palavra.
    Nem sequer quero entrar aí na v/ "guerra" local.
    Falava dos blogues em geral e não do v/ em particular

    Abraços e até sempre

    ResponderEliminar
  8. acho que joão tem razão, e a srª da tese se quer uma publicação que o faça, para quem estiver interessado a possa ler

    ResponderEliminar
  9. carla damasceno10/05/08, 15:00

    que tristeza a desta gente!
    como é que é possivel que o gerente deste blog, que parece uma pessoa dinamica, inteligente e integra deixa que se escreva tudo e que se falte ao respeito às peesoas desta maneira. todos sao anonimos menos o sr. carlos viegas, logo é voce que é a cara desta nojeira e desta pobreza espiritual.

    deixo os meus parabens à dr.a Manuela Martins, embora a sua tese esteja mal introduzida neste espaço, merece pelo seu trabalho. cruzei-me com ela aqui em mertola há uns anos atras e foi pessoa que me marcou pela sua simplicidade e humildade... caracteristicas tao raras entre bloguistas...

    e vá, podem começas a insultar...

    ResponderEliminar
  10. mais 1 anónimo12/05/08, 01:02

    Carla não contribua de forma tão asseada para esta nojeira como lhe chama. Não se vê onde, os que a precedem nos comentários, possam ter contribuído mais que você para baixar o nível da escrita. De facto a Dra Manuela não tem falta de angariar notoriedade em blogues tão "abjectos" como este.

    E se isto é um insulto .... então você é a campeã da vitimização.

    ResponderEliminar
  11. Por causa do forum não se cabia em Mértola,,,GRANDE TRISTESA.

    ResponderEliminar
  12. carla damasceno13/05/08, 11:29

    tao previsiveis.

    ResponderEliminar
  13. e tão risiveis...as suas farpas

    ResponderEliminar
  14. Capital Portuguesa do diálogo intercultural? Mas o que é isto? Diálogo não existe e inter-cultura tb não, Logo, como poderia haver gente em Mértola.
    Mas havia que eu vi alguns (meia dúzia)ao almoço, mas são sempre os mesmos (ao almoço)qgpdc.

    ResponderEliminar
  15. Agora é só dizer mal das obras do eixo comercial, mas quando estiverem prontas ai quero ver se são capazes de dizerem bem, sim por nessa altura vão ter que dar o litro porque nunca mais essa zona vai ser a mesma (espero).

    ResponderEliminar
  16. O Fórum foi um êxito! Sala cheia (de vento), Carlos Viegas num autêntico contra-relógio de leitura, organização a melhorar!
    Basta comparar com o aniversário do Dr. Mattoso...quem sabe...sabe!

    ResponderEliminar
  17. lindo !
    Até que enfim a liberdade de escrita voltou a este espaço. Cada um diz o que quer e como quer a propósito e a despropósito. Bela porcaria

    Xor Carlos. Não seja cobarde
    Não é consentindo em denegrir a xuchalhada por meia dúzia de comunas que aqui escrevem e que querem voltar a sentar-se na mesa que já foi deles que o Xor mostra espirito de abertura.
    Ou ainda alimenta a vã ilusão de que eles vão dividir consigo alguma coisa?!
    Não seja burro. Cresça

    ResponderEliminar
  18. psd de mertola14/05/08, 01:22

    Manuela Ferreira Leite vai ganhar.
    Psd organizado em Mértola será meus amigos uma realidade.
    Que a família social democratica se una é o que mais desejo.
    Viva Manuela Ferreira Leite para bem de PortuGAL

    ResponderEliminar
  19. psd em Mértola?
    Será que já se esqueceram do(a)Sr.(a)69.
    Depois quem é que acredita nos candidatos que apresentam, e como se não bastasse cada 4 anos que passam, apresentam do pioriu que aparece a Mértola. (Valentes, Arnauts, Gouveias, castanhos e amarelos e até para o Distrito já apresenta Ferreira Leite.
    sosseguem isto da política e de candidaturas é, para quem tem algo a dar e não a receber como pensam,
    tenham juizo e força mas com gente da terra e que queira fazer mto. + e mto melhor ok? Se for assim cá estaremos para o que der e vier.
    abraços psds

    ResponderEliminar
  20. Sim, “psd de mertola”, deves ser mas é “PCP/CDU de Mértola”. Vives mesmo obcecado com duas sovas seguidas e em total desalento. Também o caso não é para menos. A tua última esperança era que o PSD se organizasse por estas bandas. Então não vês que não é aí que está a tua salvação. A tua salvação estava garantida nos votos dos muitos eleitores idosos que inconscientemente votavam em massa no teu partido, mas que, infelizmente para eles e para ti, já não têm direito a voto, pois já faleceram, portanto… habitua-te.

    ResponderEliminar
  21. Que granda confusão - "psd em Mértola?" e não "psd de Mértola" não tenhas medo mas olha que vais ter surpresas e grandes, pois a população livre é mto. mais que a compremetida.
    és mto tosco e ogec.

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.