Vamos falar de


sexta-feira, 24 de novembro de 2006

Libertados saramugos reproduzidos em cativeiro

Alguns saramugos, reproduzidos pela primeira vez em cativeiro, estão a ser libertados em duas ribeiras afluentes do Guadiana, a única bacia hidrográfica do mundo onde existe aquele peixe em risco de extinção.


O saramugo, uma espécie de peixe conhecida apenas na Bacia Hidrográfica do Guadiana, em particular naquelas ribeiras, sofreu uma redução de 80% nos últimos 10 anos.

Noticia "Diário Digital" Clique aqui

4 comentários:

  1. Esta sim, é uma boa notícia sobre o saramugo...

    ResponderEliminar
  2. Saramugo do Campo27/11/06, 15:05

    Coitados dos Saramugos.
    Com as cheias a esta hora já devem estar plantados pelas hortas.

    ResponderEliminar
  3. Parabéns pela iniciativa. Que os Saramugos possam ter uma nova possíbilidade neste rio.E não, não devem estar plantados nas hortas ao que sei se fosse possível plantá-los não seria necessário criá-los em cativeiro após um logo periodo de tempo e soltá-los no nosso rio. Provalvelmente plantá-los seria de certo mais fácil se a natureza assim funcionasse.Parabéns ao Parque Natural pela Iniciativa.

    ResponderEliminar
  4. Não percebo nada de pesca, mas algo me diz que o anónimo de 27-11-06 – 3:05, não deixa de ter razão. É que olhando para o estado do tempo da altura, creio que o mesmo não aconselhava que se levasse por diante a “operação” de repovoamento dos peixes. Daí a “plantação de saramugos”, no sentido figurado que toda a gente entendeu (excepto o anónimo que antecede), assim, como as ribeiras transbordaram com as cheias é muito natural que esses peixes, criados com tanto cuidado, tenham ficado presos e a “nadar em seco” em qualquer sítio de onde a água se escoou.
    Há um pormenor com muito interesse que é o seguinte: Os ditos saramugos não foram libertados no RIO, mas sim na ribeira do Vascão e nos barrancos do Vidigão e dos Alcaides. Espero que tenham sobrevivido.
    Foi pena se se perdeu o fim em vista de uma operação que devia ter sido elaborada ao pormenor. Não dou por isso os parabéns a tal iniciativa numa altura destas. A não ser que alguém entendido na matéria me esclareça e então sim, não está cá quem falou.

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.