Vamos falar de


terça-feira, 31 de outubro de 2006

Igualdade e violência doméstica

A não perder, na "Casa das Artes Mário Elias".

11 comentários:

  1. igualdade???? concerteza que sim!!!!!!!

    homem e mulher, não podemos fazer diferenças, é verdade!!!!!

    violência????? não nunca!!!!!

    não sou machista, nunca andei á pancada com um homem e muito menos com uma mulher, espero não andar, mas ás vezes elas são as principais causadores de tudo isso, é verdade que a violência nada resolve e é perfeitamente desnecessária e condenável, mas elas as mulheres tem uma habilidade em espremer a paciência de um homem até ao fim dos seus limites.

    não farão elas muita coisa de propósito?????

    isso não é violência???? "psicológica"????

    como fica um homem depois de um desgaste psicologico por parte de uma mulher????

    deixo esta questão, para ser respondida por alguém com formação superior ou algem que domine perfeitamente a matéria e queira intervir.

    ResponderEliminar
  2. O sucesso desta iniciativa deve ter sido da chuva!

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito da tertulia, dos técnicos e da vitima. Parabens! Exelente tema.

    ResponderEliminar
  4. alguém que domine bem esta matéria? ou alguém que conheça as mulheres?! é quase a mesma coisa, verdade?! porque conhecendo as mulheres domina a matéria! a minha opinião é a de que esta questão passa pela formação cívica, educação e feitio de cada um. os actos irreflectidos que dão origem a determinadas situações (nódoas negras) por vezes são a consequência do "transbordar da água para fora do copo". todos nós temos limites, há quem com pouco "azede", aí vem o respeito ao de cima e a questão será ponderada.
    nada justifica um acto de pancadaria ou outro tipo de violência, mas não pense o meu amigo que só o homem dá, por vezes também leva.
    Quando se perde o amor, perde-se todo o respeito e amizade.
    As cenas de violência existem, na minha opinião, quando não há amor. é simples.

    ResponderEliminar
  5. E claro que o tema da tertúlia foi bem escolhido.Pena que os agressores não tivessem lá ido, deviam estar a beber uns copos para depois chegarem a casa e jantarem(a escrava aquece o jantar)e depois querem festa mesmo bebados, e depois acordarem os moços que já dormem, enquanto repetem as baboseiras do costume.
    Já agora fuiquem todos a saber que bater na mulher ou no marido é crime público, ou seja, qualquer pessoa pode avisar a Guarda e mesmo sem avisar a guarda tem obrigação legal de intervir e levantar queixa crime contra o agressor. E tempo de tratrar toda a gente com respeito e por maioria de razão a pessoa com quem se vive, se não se quer viver com a pessoa, civilizadamente separem-se, de forma a causar o mínimo de traumas aos vossos filhos e a vós pr´prios.Penso que a violência psicologica supera a fisica.

    ResponderEliminar
  6. isto realmente é impressionante ...
    o anónimo das 4:52PM 5/11/06 conhece os "agressores", fala em avisar a guarda e não teve coragem de fazer queixa ou alertar nenhuma autoridade competente?????
    ó meu caro anónimo "respeito" também passa por divulgar esse tipo de pessoas!

    ResponderEliminar
  7. Doméstica06/11/06, 20:53

    No nosso concelho existe muita violência doméstica, muita chantagem, muitas moças novas a levar porrada. Muitas, não são ajudadas pela família, quando resolvem desabafar. É levar e calar.

    ResponderEliminar
  8. @doméstica
    há muito que sei que voçês têm uma cultura diferente da dos concelhos limitrofes, mas daí a levar porrada e calar vai um grande salto, não acha?
    quais serão os principais motivos pelos quais as "moças novas" levam e não têm apoio das respectivas famílias para solucionar a questão? quais serão as razões que os maridos têm para lhes baterem? serão os casos dessas "moças" todos iguais? ...

    ResponderEliminar
  9. A familia diz que é uma vergonha, para onde irão depois? que tem uma bela casa,que os filhos vão ficar com o pai porque a mãe se encontra desempregada, a casa esta no nome do marido, o marido diz que a mata etc..

    ResponderEliminar
  10. se há uma coisa que preservo é a minha "liberdade", como tal por um lado n entendo como é possível a família n "enxergar" tamanho crime e denunciá-lo e muito menos entendo que o tente esconder! então alguém de fora que o denuncie! ... a casa em nome do marido!? e então?! se são casados!? qual é o problema!? e não mata nada depois de saber as consequências do que anda a praticar!
    ... por estar desempregada n é menos decente e menos ser humano que outro qualquer! tem todo o direito de ser defendida da "corja" que a rodeia! ... a solução é a denuncia! simplesmente!

    ResponderEliminar
  11. ... e não existe nenhum juiz que tire os filhos a uma mãe só porque está desempregada! ... nesse caso ainda será mais protegida judicialmente!

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.