Vamos falar de


domingo, 12 de fevereiro de 2006

World Press Foto do Ano 2005

Finbarr O'Reilly, Canadá, Reuters (Tahoua, Niger 1 de Agosto)

vemos
ouvimos e
lemos
não podemos ignorar


(Sophia de Mello Breyner Andresen)

19 comentários:

  1. Uma fotografia absolutamente espantosa, não só pelo sentido estético mas especialmente pela mensagem que transmite, ainda por cima acompanhada dum poema carregado de significado e que lhe dá um peso ainda maior e um significado acrescido.

    ResponderEliminar
  2. E como é que há tanto mundo insensível à fome que impõe aos outros?
    Sinto-me envergonhada sem que para isso tenha contribuído. Mas sinto-me. Envergonhada e triste porque tenho filhos e muito que lhes dar.

    ResponderEliminar
  3. question mark?13/02/06, 19:59

    @rita
    Há os países da fome e os países do colesterol no mesmo mundo que é o nosso. Há quem viva da venda de armas e quem morra às suas balas.

    O poema de Sophia pede que não viremos as costas a isto. Nem sequer vale baixar os olhos porque é cobardia. Mas vale a pena divulgar, denunciar, protestar...e ajudar a acabar com isto.

    ResponderEliminar
  4. Dona Rita
    se tem muito reparta

    ResponderEliminar
  5. @question mark
    O teu país de costumes brandos também vende armas, sabias? Também andou aos tiros nas antigas colónias, também abandonou Timor à sua sorte. Se não andaste lá és herdeiro dessa vergonha

    ResponderEliminar
  6. espiga de trigo14/02/06, 12:49

    @anonimo das 12:32
    podes até ter razão mas o teu comentário está fora deste assunto.
    Viste ao menos a fotografia? Percebeste o poema?
    Não te diz nada?
    Pensa lá um bocado e não dês prái tiros que ainda feres alguém.

    ResponderEliminar
  7. Tou espantado com esta fotografia. Tão espantado que nem sei que dizer.

    ResponderEliminar
  8. e depois ainda dizem que há justiça divina

    ResponderEliminar
  9. anonimo das 12:3216/02/06, 12:24

    @espiga de trigo
    não estive na guerra colonial mas podia ter estado.
    Não sou racista e esta fotografia comove-me e faz-me pensar no que alguns de nós tem a mais no ocidente.
    e não estou disponivel para receber lições de moral.

    ResponderEliminar
  10. anonimo das 12:3216/02/06, 12:26

    @espiga de trigo
    e não me leve por tu porque eu não me lembra de estar a mesa consigo.

    ResponderEliminar
  11. Tanto quanto sei esta foto é tirada num campo de emergência alimentar em África.
    O autor do post não indica esse facto. Não sabia ou foi esquecimento?

    ResponderEliminar
  12. @Borboleta
    Obrigado pelo reparo.
    Confesso que a omissão foi propositada. Podia ter traduzido do inglês “Mother and child at emergency feeding center” como está no original.
    Mas preferi ser menos directo e o auxílio da Sophia de Mello Breyner para abanar consciências e interessar os mais distraídos.
    Não terei conseguido o objectivo.
    Mas ainda está por demonstrar que a insensibilidade varia na razão inversa da distância a que tudo se passa de nós.
    Como dizia alguém aí acima os nossos problemas e preocupações andam mais à volta do colesterol e essas coisas das plásticas.
    O que é pena.

    ResponderEliminar
  13. maria faia23/02/06, 00:02

    @Tokyo
    não vale a pena dares com muita força. Basta aquele olhar para deixar calado meio mundo.

    ResponderEliminar
  14. é mais uma preta cheia de fome

    ResponderEliminar
  15. Provocações menores são o reflexo da insensibilidade e da estupidez.

    ResponderEliminar
  16. @anónimo das 12:50
    E um xenófobo racista que não viesse agitar as águas!

    ResponderEliminar
  17. anónimo 1250
    esse género de comentários facilitam-te a digestão? Ficas mais aliviado? Descomprimes os intestinos?
    Para onde vamos com quadrúpedes destes?

    ResponderEliminar
  18. Esplendor na relva01/03/06, 14:18

    @anonimo das 12:50
    e tu és mais um branco burro!!(que me perdoem os Burros)

    ResponderEliminar
  19. @esplendor
    ganda malha!!

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.