Vamos falar de


quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Portugal é o país da Europa com carga fiscal mais elevada, indica consultora

Autor: Miguel Moreira
Segunda-feira, 07 Janeiro 2013 13:42
Depois da subida do IRS e da contribuição de solidariedade, Portugal passa a ser o país com maior carga fiscal da Europa, indica um relatório da KPMG. Esta consultora, que compara a realidade portuguesa com a dos países mais ricos da Europa, aponta os pensionistas como os contribuintes mais prejudicados com o agravamento fiscal em 2013.
 
Portugal é o país da Europa que apresenta uma maior carga fiscal sobre os contribuintes, em resultado do aumento do IRS e da Contribuição Extraordinária de Solidariedade que o Governo aplicou no Orçamento de Estado para 2013 – medidas que mereceram pedidos de análise no Tribunal Constitucional.
 
Um estudo da consultora KPMG que o Diário Económico divulga na sua edição de hoje, coloca Portugal no topo da Europa. Nem mesmo a Alemanha, que aponta o modelo de ajustamento português como o mais indicado, consegue superar a carga fiscal aplicada em Portugal, onde os rendimentos são dos mais reduzidos da zona euro.
 
No que diz respeito aos reformados solteiros que não tenham dependentes, bem como os casais sem dependentes, verifica-se que Portugal apresenta uma carga tributária superior a países como a Alemanha, Espanha, Itália, França e Reino Unido. A fiscalidade praticada em Portugal é superior aos cinco países mais ricos da Europa.
 
Segundo o estudo realizado pela KPMG, os pensionistas portugueses são os contribuintes mais prejudicados com o agravamento fiscal português, em sede de IRS, ou mesmo na Contribuição Extraordinária de Solidariedade.
 
A KPMG faz uma simulação que compara rendimentos de um casal de reformados que não tenha dependentes e que apresente rendimentos superiores a 300 mil euros anuais. Neste caso, a carga fiscal atinge 64,2 por cento dos rendimentos. Na Alemanha, por exemplo, um casal de reformados com igual situação não paga mais do que 24,4 por cento de impostos.
 
in

Sem comentários:

Enviar um comentário

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.