Vamos falar de


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Ponte do Pomarão - Actualização


A Diputácion Provincial de Huelva e a Câmara Municipal de Mértola inauguram hoje 26 de Fevereiro, às 11 horas, a nova Ponte Internacional do Baixo Guadiana e o alargamento da Estrada Municipal 514.

A ponte sobre o Rio Chança, a jusante da barragem do Chança, liga as localidades de Pomarão (Mértola) a El Granado. A ponte, hiperstática, consta de um vão central de 70 metros e dois laterais de 35 metros, com dois pilares de uns 20 metros de altura (altura desde a superfície da água até ao tabuleiro).

A secção transversal tem 11,0 m, que se distribuem pela faixa de rodagem (6,0 m), duas bermas (1,0 m - cada), dois passeios (1,0 m - cada), e duas zonas para o apoio de estruturas metálicas (0,5 m - cada).

Esta ligação significa uma importante alternativa de acesso uma vez que as únicas passagens que existiam nesta zona de fronteira (Ficalho - Rosal de la Frontera e Castro Marim - Ayamonte) distam entre elas cerca de 120 km. Por exemplo, para nos deslocarmos desde o Pomarão com destino a El Granado percorríamos aproximadamente 140 km e agora, após a construção da ponte, são apenas 12 km.

Principais características:
· Largura total do tabuleiro – 11,0 m;
· Comprimento – 140,0 m;
· Vão central/ entre pilares – 70,0 m (recorde de elementos pré-fabricados na Península Ibérica, com intenção de candidatar ao Guinness Book of Records);
· Altura até ao tabuleiro – 20,0 m;
· Peso do tabuleiro e vigas – 2.000 ton;
· Quantidade de Betão utilizado – mais de 3.000 m3;
· Quantidade de Aço utilizado – mais de 360 toneladas;
· Fundação dos pilares constituída por estacas de betão com 1,5 m de diâmetro e 14,0 m de profundidade média

Investimento Total: 2.289.170,76 € (inclui a obra, projecto técnico, estudo inc. ambientais, etc.), sendo da responsabilidade da Câmara Municipal de Mértola, 286.146,35 € (12,50 %); da Diputación Provincial de Huelva: 286.146,35 € (12,50 %) e do FEDER (Projecto HUBAAL – IC INTERREG III A): 1.716.878,07 € (75,00 %).

As acessibilidades são consideradas a base crucial do desenvolvimento económico, social e cultural de qualquer região, tornando-se ainda mais relevantes em regiões deprimidas e desfavorecidas como é o caso do Baixo Alentejo e do Andévalo Ocidental de Huelva. No sentido de colmatar a lacuna existente em termos de acessibilidades transfronteiriças, têm sido grandes os esforços, tanto do lado de Portugal como de Espanha.

O projecto “HUBAAL - Conexões Viárias entre Huelva, Baixo Alentejo e Algarve”, que teve como chefe de fila a Diputación Provincial de Huelva e como parceiros as Câmaras de Mértola, Serpa, Alcoutim, Castro Marim e Tavira foi desenhado para intervir na rede viária existente e levar a cabo actuações de conexão transfronteiriça através de estradas locais, que complementem as conexões das estradas estatais existentes no norte e sul da zona, que são actualmente as únicas disponíveis. Pretendia-se também construir uma ponte sobre o Rio Chança, afluente do Guadiana, e fronteira natural entre Espanha e Portugal nesta área geográfica.

A Vila de Mértola corresponde ao “Terminus” fluvial do Guadiana navegável, constituindo um centro urbano, que polariza uma vasta área rural, desde a antiguidade. Actualmente existe uma grande aposta em segmentos turísticos apropriados ao meio, onde se destacam os espaços rurais, cultura, natureza, desporto e recreio. Assim o turismo reforça as “fileiras” de produtos específicos de elevada qualidade e contribui para a manutenção do emprego rural e revitalização de artes e ofícios tradicionais.

Nesta óptica, o turismo gerado pela abertura duma fronteira no Pomarão não pode ser menosprezado no âmbito de uma dinâmica de desenvolvimento do mundo rural, onde se pretende diversificar o tecido produtor da região raiana.

Deste modo, um acesso directo com a Andaluzia requalificará Mértola como um autêntico pólo atractivo raiano, articulando o eixo Norte-Sul (Alentejo – Algarve) com o eixo Este – Oeste (Andaluzia – Baixo Alentejo) contribuindo assim para o desenvolvimento local e das regiões envolventes.

Como facilmente se depreende, com base na vocação de turismo cultural, surgem as condições para a criação de micro-iniciativas comerciais e de prestação de serviços variados em toda a região envolvente.

33 comentários:

  1. Um dia histórico para o Concelho de Mértola e para todos aqueles que efectivamente defenderam este projecto. Para outros, poucos felizmente, é um dia de derrota e de vergonha por terem criado dificuldades, por terem ajudado os detratores do projecto, por terem tentado por todos os meios negar aos mertolenses a abertura de mais uma porta para o progresso e para o desenvolvimento.
    Esses mesmos Mertolenses não vão esquecer uns e outros!

    ResponderEliminar
  2. Era bom que fosses mais esecifico para que não iludas as pessoas que não estão a par destas questões. Ou será que esta é a tua intenção?

    ResponderEliminar
  3. @anónimo dos insultos (obviamente não publicado)
    Estás tão chateado porque?? Olha que tanto veneno a destilar ainda te provoca uma ulsera.
    Eu hoje tenho já tenho motivos para sorrir e acredito que ainda terei mais motivos para uma boa gargalhada.
    Tem cuidado com os ácidos, olha pela tua saúde!!

    ResponderEliminar
  4. O passar dos anos dá nisto. Ainda vou ter saudades de quando ia a Paymogo escarranchado num burro...
    Hoje nem pude pensar em sair de Moura, mas o próximo sábado vai ser um bom dia para estrear a ponte.

    ResponderEliminar
  5. deixemos de coisas e bem hajam todos aqueles que lutaram para que a ponte seja hoje uma realidade.estou certo que mesmo aquele pessoal da defesa dospassarinhos etc etc, concordará que ainda bem que temos ponte.Eu também sou do tempo de ir espernegado no Burro, mas convirá (Santiago) reconhecer que esses tempos já la vão.
    Quem ganha e quem perde com esta ponte?
    Ganha quem montar um restaurante no Pomarão, na formoa, picoitos, Santana, pois a nossa comida é b oa e a dos espanhois não se traga! Podem crer que dá dinheiro.
    Ganham os nossos pedreiros a trabalhar em espanha, pois trabalham melhor e têm orçamentos mais baratos.
    Convirá que a Camara faça o alcatroamento pela formoa até Picoitos e de Santana a Montes Altos(Aguarda-se que os proximos candidatos a Camara se comprometam com essas obras.
    Natrualmente que continuem o alargamento e beneficiação dos Salgueiros a Moreanes.(Alarghuem dos Salgueiros a cruzamento dos fernandes.
    Em espanha, meteremos gasolina, compramos gáz e há quem tenha a vida facilitada para ir ao Elbosque.
    Ainda bem que a vigarice de Cartaia já acabou, ou então também para estes vigaros o caminho estava encurtado.
    Viva a Ponte do Pomarão, a Margem esquerda do Concelho e já agora a Direita(Margem direita para que não existam confusões.

    ResponderEliminar
  6. Convém que fique dito e escrito que a tão aclamada ponte constitui uma chaga insanável na paisagem (que era) única, do Baixo Guadiana.

    Imperdoável a agressão praticada !!

    Como é imperdoável que todos aqueles (e foram muitos)que sempre se manifestaram contra (e bem), são agora os primeiros a utilizar em seu proveito o mamarracho azul

    Vergonhoso meus senhores !!

    Antes de burro como santiago e pela volta falsa.

    ResponderEliminar
  7. Uma grande obra mereceu uma grande inauguração.
    Como não estive presente, mas julgo que haveria galinha ao almoço? e Saramugo grelhado? o Ambiente era propício para isso.
    Finalmente sempre houve a tal prometida ponte.
    Uns promentem e outros fazem.
    Parabens a todos que estiveram sériamente a tratar deste processo, pois não foi fácil.
    Os nossos comerciantes têm que saber cativar os nossos vizinhos Espanhois, pois este elo de ligação é uma mais valia para o nosso Concelho, temos que ser é inteligentes e expeditos.

    ResponderEliminar
  8. Metemaisum28/02/09, 17:39

    Esta é uma obra que, sem qualquer dúvida, poderá ajudar a mudar positivamente a dinâmica sócio-económica do Concelho e, em particular das freguesias da margem esquerda.

    No entanto, como todas as obras importantes construídas pelo homem, tem sempre aspectos positivos e negativos. Neste caso, o único aspecto negativo que consigo detectar é o impacto paisagístico sobre a aldeia do Pomarão que, pela forma como ocorre a desembocadura do lado Português, ficou bastante descaracterizadá. Acredito que a opção de amarrar a ponte no lado norte da colina sobranceira ao Pomarão seria muito mais adequada, embora não tenha dados para perceber se isso seria tecnicamente viável por poder conflituar com as infraestruturas da barragem.

    Os aspectos positivos têm, inegavelmente, um peso muito mais significativo, assim haja capacidade e inteligência para saber aproveitar as oportunidades que se abrem com esta ligação directa a Espanha. Para já, ainda não se vislumbram iniciativas privadas para impulsionar e desenvolver actividades económicas ligadas ao turismo, aos produtos tradicionais ou à natureza mas espero, sinceramente, que haja gente dinâmica que saiba aproveitar a oportunidade saindo do habitual marasmo do permanente queixume pela crise passando à acção.

    Um mau exemplo disto foi o que presenciei no passado fim-de-semana de Carnaval, mais concretamente na Segunda-Feira onde, num passeio pela Mina de S.Domingos nos deparámos com uma quantidade enorme de turistas estrangeiros (maioritariamente Alemães e Belgas) com autocaravanas parqueadas na Praia Fluvial e para nosso espanto, nem o Bar da Praia Fluvial, nem o Café da Pensão se encontravam abertos!
    Crise? Qual crise?!!

    ResponderEliminar
  9. Não é preciso levar tudo à letra... As coisas têm o seu tempo. Era pela Volta Falsa que eu cruzava a fronteira, mais isso era em 1969, 1970.

    Um "pequeno" pormenor: andei hoje pela nossa vila e havia muitos espanhóis a passear. Não me parece que seja errado dizer que quem ganha é o concelho...

    ResponderEliminar
  10. os espanhóis vem a mertola so de passeio não e que eles venhom a gastarem o seu dinheiro em mertola. nós portugueses e que lhe vamos a dar vida porque em espanha é tudo mais barato.

    ResponderEliminar
  11. Confirmo o que disse o DRº Santiago Macias hoje em Mértola havia muito espanhois, na hora de almoço os retaurantes estavam cheios de Espanhóis.
    Só alguem fundamentalista como quem emprestou o SARAMugo, não queria o desenvolvimento da região.
    A região espanhola e portuguesa estão de parabens por este marco histórico dos nossos Autarcas de terem abraçado este projecto.
    Só os fundamentalistas não podem gostar, gostam mais dos bichinhos.

    ResponderEliminar
  12. Hoje fui, almoçar e jantar ao "Migas". O restaurante esteve cheio o dia todo, colou almoço com jantar, quase tudo clientes espanhois. Será que foi só no Migas??
    Só não vê o que é obvio quem não quer!

    ResponderEliminar
  13. agora matem a galinha dos ovos de ouro!!
    Carreguem logo nos preços que logo vem o que lhes acontece!!!

    Nao temos comercio a altura de explorar o manancial.
    A primeira carregam na factura e espantam os passarinhos como dizi o Jacob do Boa viagem

    ResponderEliminar
  14. Acho que Mértola e o seu concelho durante os últimos 30 anos só piorou de qualidade de vida. Isto porque foram criadas instituições que favoreceram apenas, repito, apenas, as questões ambientais e arqueológicas. Os indivíduos que favoreceram isso devem dar lugar, progressivamente, as gerações mais novas do concelho.
    A ponte não descaracteriza a paisagem, era sim um bem publico mais que necessário para todos.
    Adorei o discurso de inauguração do Jorge II, o rosa. Chamou a atenção quem tinha de ser envergonhado publicamente pelo facto de atrasar o projecto.
    creio que teremos uma figura que, apesar de ser o delfim do Jorge I, o Valente, terá consciência do que é o poder autárquico.Ainda poderá ser um bom presidente, basta apenas mostrar que é capaz de se separar do mítico antecessor.
    Viva a Ponte, Viva Mértola, a do lado de cá e a que vive no lado de lá.
    Quero deixar aqui uma vontade de muitos, lembrem-se de melhorar as estradas entre Mértola e o cruzamento.isto é o exemplo de que, quando Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
    bem ajam todos os que trabalharam pela ponte!

    ResponderEliminar
  15. Como todas as obras, há sempre alguem descontente outros satisfeitos e estou convencido de que os últimos são em maior número. A afluncia foi de centenas no dia da inauguração e digo que a maioria não esperava o bom almoço que nos foi servido com sobremesa.Foram muitos os que depois utilizaram as novas estruturas (estradas incluidas) e rumaram até Espanha e vice-versa. Eu e o meu amigo Alexandre e n/esposas fomos até VV de los Castillejos e lá tomámos o café que é de conhecida marca portuguesa. Hoje 1 de Março a afluência de espanhóis foi tão grande que os portugueses não tiveram lugar para almoçar....

    ResponderEliminar
  16. acho muito bem a costrução da ponte, vai dar muito mais vida a ambos os lados.
    so peço que continuem o alargamento das estradas do crusamento até aos fernandes ou até á moreanes.muitos espanhois peguntaram por caminhos alternativos sem estradas estreitas e com tamta curva.

    ResponderEliminar
  17. Eu estive lá e vi. Vi gente feliz e a chorar. Mas tamb+em vi gente gente triste envergonhada, pelo que tentaram fazer ao concelho. Esta obra, grande obra deveria sr a obra de todos os mertolenses. Mas infelizmente não foi. Alguns rostos da CDU estavam tristes e at+e o Presidente da Junta se vestiu a rigôr mas faltou-lhe o entusiasmo próprio daquele dia, porque lá dentro queia a ponte mas não agora.

    ResponderEliminar
  18. Ainda bem que houve capacidade para não desistir da realização da obra, ainda bem que o Sr. Luís de la Rasilla que andou por aí muito tempo e que foi apoiado para dar a cara contra a sua realização, não conseguiu ser mais forte que a determinação para a realização deste executivo municipal.
    Pena que o barco da ADPM tenha sido emprestado, numa discussão que com ele tive no Pomarão, em que o confrontei com o facto de os actos dele serem lesivos do interesse do concelho de Mértola, ele em resposta afirmou que muita gente no concelho e na freguesia estavam do lado dele e contra a realização da obra.
    Ainda bem que não conseguiram. Hoje não tem coragem de se afirmarem contra, pois esta obra foi tão desejada para o Concelho de Mértola como o Alqueva foi para todo o Alentejo. O facto de terem tentado impedir esta realização, prova que não colocam em primeiro lugar o Concelho, pura e simplesmente não queriam que este executivo realizasse a obra.
    António Medeiros

    ResponderEliminar
  19. Os abutres calaram-se. Renderam-se à evidência e já passam a ponte sem pagar portagem como alguém irónicamente disse. Já correm uns "zuns/Zuns" a mando dos contra, dizendo que isto já são espanhóis a mais.
    Pudera... isto incomoda

    ResponderEliminar
  20. Ainda sobre a ponte, lembra-se o Sr. josé Rodrigues quando fez as caixas dos correios no Pomarão, contra a vontade do povo, disseram-lhe que a ponte deveria sair ali e esse senhor respondeu: "Ponte aqui?? NUNCA!!" O que é certo é que ela está feita e até serve para ir a Espanha com dinheiro público fazer política, como foi o caso do "Dia da Mulher"! Ao que nós chegámos....... Fui na viagem só para ver e não gostei. E o Sr. Jorge Revez foi lá fazer o quê? Não percebi! É demais

    ResponderEliminar
  21. Ora então foram nessa viagem de algumas juntas pelo menos dois senhores dos que não queriam o ponte, não percebo é porque as outras juntas não foram.

    ResponderEliminar
  22. foi la para começar já a amealhar votos , olha que pergunda ! ahahah

    ResponderEliminar
  23. Oh Jovens! E a vossa tolerância??
    A CDU tem todo o direito de organizar através das juntas que lidera os eventos que muito bem entender. Com ou sem mulheres. Indo ou não a Espanha. Usando ou não a ponte que tanta contradição levantou.
    As juntas Ps não o fazem, porque neste caso, e por comodidade, têm a maioria na Cãmara.
    Não é de admirar. Tal já acontecia quando a CDU era maioria: a câmara pagava o almoço num restaurante local amigo a 20 ou 30 camaradas escolhidas por unanimidade no dia da mulher, e havia todos os anos concentração no Seixal com direito a comício do camarada Álvaro, coiratos e frango no churrasco e tinto à discrição.
    E nunca houve problemas nem protestos.
    Nesse tempo Mértola era feliz ao menos ....

    ResponderEliminar
  24. Muitas palavras têm corrido sobre a ponte. A maioria delas resultado de pura estupidez, opiniões manipuladas com mero carácter difamatório. Esta é também uma das caracteristicas da politica e é assim que se caracterizam os melhores politicos.

    Vejo no concelho de Mértola a mesma situação que se vê a nível nacional. Quando o Benfica ganha esquecem-se os problemas da educação, da justiça, as filas no médico e o Socrates até é um rapaz porreiro. Em Mértola constroi-se a ponte e é tudo a falar dela como se conhecessem o processo e esquecem-se os complexos desportivos maravilha, os saneamentos e os comerciantes de Mértola.

    Vamos bem vamos...

    ResponderEliminar
  25. Em oposição ao anónimo de cima o que eu vejo muitas vezes em Mértola, por parte de alguns politicos da nossa praça é de comentadores menos atentos e avisados é que se liga á parte e se esquece o todo. Encontram-se os defeitos da obra e quando não os há inventam-se na tentativa constante de esconder o obvio. Lamenta-se o degrau e esquece-se a escada, encontra-se uma rotura na rede de água e esquece-se que a rede está feita, lamenta-se enventual mau cheiro da etar e esquece-se que os esgotos estão a funcionar, lembra-se que o zé não foi á unidade móvel e esquece-se os 1000 zés que foram atendidos. Critca-se o critério de um apoio a um idoso e esquece-se os milhares que já receberam comparticipações, encontra-se defeito no traçado da ponte mas esquece-se que ele está feita, critica-se a poça de água no eixo comercial mas esquece-se que ele está quase concluido.
    Muitas destas opiniões são tal como o anónimo de cima diz "resultado de pura estupidez, opiniões manipuladas com mero carácter difamatório".
    A ponte do Pomarão é uma das maiores obras deste Concelho quer queiram quer não. A ponte do Pomarão é um dos caminhos para nos ajudar a sair do buraco, tal como será o "complexo desportivo maravilha" referido pelo anónimo de cima em tom de desprezo. O seu problema, e felizmente o de poucos como você é visão estreita, muito estreita mesmo e nalgumas situação a completa ausência dela.
    Pode vir para aqui atirar pedras ao Socrates e á sua politica, está no seu direito de não concordar, mas não tente lançar poeira para os nossos olhos porque o que é obvio é obvio. Não gosta desta politica não vote nela, não tente é distorcer a verdade ou pior ainda esconde-la.

    Não vamos assim tão mal, não vamos.

    ResponderEliminar
  26. @Anónimo 2:01

    Liga-se à parte e esquece-se o todo?!Que todo? Pensa que o concelho funciona como um todo?Aliás, será que o concelho de Mértola está a "funcionar"?

    Seja sincero.

    Rede de água está feita?Não estava já? Pois.

    Os esgotos estão a funcionar? Falemos em números, foram prometidos 40 saneamentos!!!

    Grande obra a ponte do Pomarão, importantíssima para o concelho, parabéns a todos os intervenientes.

    "tal como será o complexo desportivo maravilha" - Mas?!?! Não ficou pronto em 2004?
    Ou será que estou a confundir com o Mértola Concelho terapeutico?Desculpe, se calhar não estou bem informado.

    Poderia continuar mas não me apetece (tenho comer ao lume...)
    Como é óbvio foram feitas algumas coisas muito importantes das quais temos que nos orgulhar mas parece-me que "lançar poeira para os nossos olhos" é a especialidade de determinadas pessoas que o caro anónimo deve conhecer muito bem. Com você próprio escreve, "porque o que é obvio é obvio" e é mais do que óbvio que gostamos de ser enganados e viver na ilusão.

    Afinal, vamos bem vamos...

    ResponderEliminar
  27. Respondes-te mas não disses-te rigorosamente nada. Continuas confuso, muito!

    ResponderEliminar
  28. Meu caro(a),

    É sensatez. Prove, iria gostar.

    Tá a ver o lançamento de poeira para os olhos do "povo"?!
    Pois, não tem nada a ver!!

    ResponderEliminar
  29. Eu não tenho que lhe provar nada. As provas estão á vista. A não ser que tenha dificuldades de visão. O pior cego é o que não quer ver.

    ResponderEliminar
  30. Eu não tenho que lhe provar nada. As provas estão á vista. A não ser que tenha dificuldades de visão. O pior cego é o que não quer ver.

    ResponderEliminar
  31. Ainda a bater nessa da visão?!

    Vá ver aquelas listas de promessas dos seus amigos, olhe para o concelho, respire, compare e só depois voltaremos a falar em poerias e visão.

    ResponderEliminar
  32. a propósito de saneamento a única constatação válida é esta:

    a cdu em 100 obras de saneamentos potenciais executou e mal (deixou-os incompletos) 3: Mértola, Fernandes e Corte Pinto. Com o pormenor de os de Mértola ficarem a esgotar a céu aberto para o rio.
    Talvez para tornar a Vila Museu mais atractiva pelo cheiro... as moscas.
    A actual maioria já executou os que estão à vista e são muitos. Nem vale a pena estar a nomeá-los um a um. E muitos com os votos contra da CDU sempre "preocupada
    com o povo"

    ResponderEliminar
  33. Santiago Macias,

    Fiquei apalermado. Vai atravessar a Ponte?

    Olhe que o Jorge não vai gostar e o rapaz não perdoa.....

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.