Vamos falar de


quinta-feira, 12 de julho de 2007

Investigadores internacionais escolhem Mértola para promover estudo


A Câmara Municipal de Mértola, o Clube Náutico de Mértola e o Centro de Saúde de Mértola assinaram um memorando de colaboração para a criação de um Projecto de Investigação sobre a Actividade Cerebral (EEG) e Demografia com o grupo de investigação científica BM-Science, sedeado na Finlândia.


Este estudo tem como objectivos centrais a investigação das particularidades de saúde na região de Mértola, caracterizar a actividade electrofisiológica cerebral (EEG) da população e as patologias e distúrbios que directamente se relacionem com esta actividade, no “momento de registo”, e também determinando prováveis “elementos de previsão” através da determinação de grupos de risco. Do ponto de vista de desenvolvimento social e económico, o estudo pretende aumentar e diversificar o foco de investigação científica quer dentro do âmbito nacional como internacional – contribuindo para alargar a actividade científica a áreas do conhecimento para além das já tradicionais e bem estabelecidas, como a arqueologia e a etnografia.

Este estudo será desenvolvido por uma equipa multidisciplinar que integram as áreas da neurofisiologia, psicologia, demografia/estatística e saúde pública.

A BM – Science – Brain & Mind Technological Research Centre é uma instituição sedeada na Finlândia que desenvolve estudos na área da neurofisiologia e da informática.

12 comentários:

  1. Creio que será um estudo interessante.
    Vão dizer á população que tem elevados problemas do foro psicológico, porque habitam numa zona de elevada depressão económica, daí, tantos problemas de alcoól,de familias descaracterizadas e disfuncionais,de insucesso escolar,mutismo para com o trabalho,desinteresse geral,pessoas que tomam demasiados anti depressivos, problemas de droga, problemas de velhice,montes e montes de problemas.
    Será bom martirizar ainda mais as pessoas?
    Estarão elas preparadas?
    Isto são apenas algumas questões, tendo em conta a nossa realidade.
    Com o nosso interior as coisas são bastante complexas,cuidado...e bom sucesso para este trabalho.
    Afirmo, sem humor jucoso, que parece ser um trabalho muito interessante.

    ResponderEliminar
  2. Ao/À anónimo/a de 14/7/07, 11:20:
    Realmente, o seu humor deve ser muito escasso. Todavia, o seu pessimismo galopante é já enorme. Se é uma pessoa nova, pior ainda… assim não vai chegar a lado nenhum. Só o menos bom que, no fim de contas, existe em todo o lado, é que consegue descortinar. Pois, tenho que lhe dizer que está muito mal informado/a sobre Mértola. Eu vejo precisamente o inverso daquilo que afirma e nem sou natural de Mértola.

    ResponderEliminar
  3. Ao/À, não natural, de Mértola.
    Realmente são precisos óculos de madeira.
    O que é que vê?
    Se tem assim tanta informação, porque não partilhar um pouco.
    È só para eu não ter esta sensação de que tenho razão.Creio que não disse nenhuma mentira,se o fiz peço desculpa
    Sou realmente jovem e prespectivas de futuro aqui, nada, zero.
    Vai-se fazendo uma coisita aqui, outra ali mas, nada que se possa dizer, de grande monta.
    Normalmente são sempre os mesmos que se safam.
    Parece-me existir aí, uma falsa ingenuidade.
    Os problemas não são para ignorar,vivemos com eles diariamente, temos é é que encontrar soluções.
    Vou gostar de saber o resultado deste estudo, era óptimo que eu estivesse enganado.

    ResponderEliminar
  4. Perspectivas de futuro nada aqui, quando não se quer trabalhar. E verdade seja dita ha muita gente que não quer trabalhar, mas sim encostar-se. Trabalhar com velhos, ninguém quer, hotelaria nem pensar, limpezas em casas particulares ai não, obras esta muito calor.. e assim em diante. Um dos principais problemas em Mértola em relação a outros concelhos é a falta de humildade e a inveja! Inveja-se o lugar do outro, a vida do outro mas não se faz nada pela sua vida.

    ResponderEliminar
  5. Tretas, disses-te uma grande verdade,se a inveja paga-se imposto havia muita gentinha cheia de carimbos.
    Mas também é verdade que são sempre os mesmos, a fazer, ou a fingir que fazem.
    È pena que muita gente seja subsidio-dependente,se acabassem com isso este país concerteza tinha outro rumo para a positiva.
    Ninguém quer fazer nada, tenho o sussidio, para quê vergar a mola?

    ResponderEliminar
  6. é uma grande verdade essa!!!inveja é o que não falta no concelho,fala-se que aquele tem isto o outro tem aquilo mas não veem que, quem tem alguma coisa trabalha,faz para o ter, enquanto quem fala limita-se so a falar e não fazer para conseguir ter um pouco mais. é pena

    ResponderEliminar
  7. Ao realmente jovem:
    Começo por dizer que não alcanço por que são precisos óculos de madeira. Essa não percebi. Mas pronto, adiante, nem sempre conseguimos perceber tudo.
    Volto a afirmar que o vosso primeiro comentário não me pareceu muito feliz. Até parece que neste concelho anda tudo maluco, toda a gente deprimida, toda a gente embriagada e, por conseguinte, com problemas alcoólicos, disfuncionais, escolares, desinteressados por tudo e por todos; atascados em anti depressivos, cheios de drogas, pedintes e indigentes (só problemas).
    Ora, um quadro tão negro não se adequa ao nosso (posso chamar-lhe nosso pois já o considero também meu) concelho. De resto basta estar atento à comunicação social para perceber que Mértola não é aquilo que diz. Mértola tem muitas potencialidades. Não é uma questão de partilhar informação, basta ver com um pouco mais de atenção para perceber que assim é.
    Agora se “Normalmente são sempre os mesmos que se safam”, é você que o diz. Mas se assim é, está a dar-me razão: estes são os mais diligentes, aqueles que fazem pela vida, que estudam, que trabalham, que pensam no futuro e que não levam a vida nos bares até às 4 da matina, a trocar mensagens ocas pelos telemóveis, ou a incomodar quem está a dormir e tem de se levantar cedo para ir trabalhar.
    Também estou curioso pelo resultado do dito estudo, sobretudo se se chegar a debruçar sobre o modo de viver, de pensar e de agir, da juventude que temos actualmente. Depois falamos…

    ResponderEliminar
  8. Outro jovem01/08/07, 12:21

    Mas não estás contente com a juventude que temos actualmente?!

    ResponderEliminar
  9. Não tenho que estar contente nem descontente com a juventude actual. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Não é por aí que vamos lá... quem me dera ser jovem outra vez. Porém, faria tudo do mesmo modo como até aqui. Continuaria a aprender com os mais velhos, são eles que nos dão os melhores ensinamentos.

    ResponderEliminar
  10. Não me refiro apenas aos problemas que mais acima referi mas, que são uma realidade isso não se pode negar.Daí a questão dos oculos de madeira,pois só não os vê quem não quer.
    Não podemos tapar o sol com a peneira e encarar também estas realidades, e ajudar nas soluções.
    È claro que no "nosso" concelho nem tudo é sombrio e deprimente.
    Em resposta digo:
    - As pessoas que enviam as mensagens ocas de telélé, que estão no bar até ás 4 da matina e que eventualmente, incomodam os cotas que têm que trabalhar no dia seguinte.São, na sua maioria, a juventude que temos.
    Já agora e a título de curiosidade, a comunicação social é, e sempre foi tendenciosa, e só mostra o bonito da questão.È só dar uma volta ao concelho para vermos o quão deprimente económica e socialmente nos encontramos.
    Certo é que algumas coisas estão a ser feitas mas, é um trabalho Hérculeo e, com as divisões políticas que existem,as coisas ainda se tornam mais dificeis.
    Essas pessoas que estão a fazer pela vida e estudam e blá, blá , bl´´a, muitas vezes estão-se pouco importando com o que se passa á sua volta, evitando e contornando estes problemas,para seu proveito,e que lhes é legítimo ninguém os pode censurar por isso.
    Peço desculpa pelo alongado comentário.Não quero com este,faltar ao respeito a quem trabalha ,e a quem tem problemas para resolver.
    Só queria é que todos estivessem bem.
    Fico na expectativa, e até breve.

    ResponderEliminar
  11. Caro anónimo que antecede:
    Não tem que pedir desculpa de nada. Acho até que foi uma troca de opiniões salutar, desinteressada e aproximada. Sim, aproximada, no fim de contas vejo que ambos queremos o melhor para o “nosso” concelho. Outra coisa não faria sentido. Temos que ser optimistas; eu sou e também fico na expectativa de melhores dias para toda a gente. Esta crise, que apoquenta tanta gente, não há-de durar sempre. Esse também é o meu desejo. Cumprimentos e até um dia destes.

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.