Vamos falar de


domingo, 23 de abril de 2006

Dois breves apontamentos sobre ambiente...

1º- No mês passado foi posto a discussão, sem grande sucesso, a questão da energia nuclear. O aparente desinteresse é revelador, talvez, da escassa informação objectiva e acessível sobre Energia que circula na comunicação social. Assim, parece-me oportuno partilhar este artigo (é extenso, mas elucidativo) que, em linguagem acessível, esclarece muitos dos mitos e falácias em torno das Energias (atómica, renováveis, etc,)… 2º- O jornal Correio da Manhã, de sexta-feira, noticiava: Mértola: Moradores de Penedos denunciam crime ambiental. Câmara despeja fossas a céu aberto. Ao ler o artigo, recordei-me de uma conversa que tive, um par de anos atrás, com um colega de Universidade, oriundo de um país Escandinavo, estudante de Erasmus em Portugal. A determinado momento fui confrontado com a questão: “porquê se gasta tanto dinheiro a “embelezar” rotundas em Portugal?”, inicialmente melindrado, avancei com algumas possíveis razões: talvez um sintoma de novo-riquismo… talvez porque a sociedade é cada vez mais influenciada pelo que vê, em detrimento do que lê e ouve… e o que vê, normalmente, vê através da janela do automóvel, etc. A tudo isto, o outro, laconicamente, respondeu: “afinal o “vosso” atraso estrutural é irrisório, comparativamente ao cultural!”

Não é que o “marmelo” do escandinavo talvez tenha razão!

É uma situação lamentável, mas não surpreendente em Portugal (basta folhear os jornais), e injusta para alguém que tem revelado uma sensibilidade e consciência ambiental atípica para um autarca.

JDR

19 comentários:

  1. Voltando ao tal "crime ambiental" de Penedos é apenas uma questão politica, nada mais. Aliás o próprio autor da noticia não está nada preocupado com o ambiente,senão já teria feito a denúncia há muitos anos atrás e já teria mandado arranjar a sua fossa séptica que nunca foi limpa, logo só pode estar rôta e poluiu há longos anos as águas freáticas. E mais se tivesse muito preocupado com o ambiente não teria a céu aberto no meio de mato amontoado máquinas industrias obsoleteas. E ainda se não quizesse que a poluição não continuasse telefonava para a Câmara a avisar o Presidente ou vereador do acontecido e tudo seria resolvido de imediato.
    Mas a intenção não era resolver era arranjar um embaraço politico. Mas todos sabem que criticas noutras áreas podem fazer ao actual Presidente,mas estas são tão injustas que não têm pernas para andar.Em 4 anos acabaram as lixeitas a céu aberto,limparam-se caminhos, até as estradas nacionais foram limpas e a qualidade da água para beber foi controlada semana a semana.
    Tenho feito bastantes criticas mas nunca faltarei à verdade e esta não tem ponta por onde se pegue, portanto fico por aqui

    ResponderEliminar
  2. Observador24/04/06, 00:10

    Ai ai o que se está aqui a formar...N se pode negar que as descargas aconteceram. De quem é a culpa?! É a esta questão que se deve responder, não vale a pena se andar aqui a especular, desculpar, ou tentativa de tal.

    Penso que está questão pela sua gravidade merecia um outro post(n querendo dizer mal deste) para além dos meros apontamentos(serão?!?!) ambientais

    ResponderEliminar
  3. A culpa de haver estas descargas é de quem permitiu que até hoje as nossas povoações não tenham esgotos.

    ResponderEliminar
  4. Numa das situações em que verificou a ilegalidade, Manuel Nunes questionou os trabalhadores da câmara. Estes, segundo o morador, responderam: “Andamos a fazer isto aqui há tanto tempo e agora vem você chatear a gente”. Face a esta resposta, Manuel Nunes acredita que “os funcionários estavam a fazer o serviço à revelia dos responsáveis, para evitarem percorrer os 50 quilómetros da viagem de ida e volta até à ETAR de Mértola”.

    Isto é o que está na noticia, devem apurar os responsáveis e devia haver despedimento com justa causa

    ResponderEliminar
  5. Isto é um problema, que já se vem arrastando há largos anos, pois só bem a pouco tempo que o nosso concelho, esta dotado de saneamento básico. Eu acho que este artigo não é uma questão de politiquice, uma vez que se estava mal e não havia ETARES, para despejar os resíduos, também não se fez nada para melhorar esta situação, dando assim as culpas a gerência antiga como a actual.
    E agora de quem é a culpa deste crime ambiental?
    Ou será que agora, quem vai pagar as favas é o pobre do funcionário que cumpria as ordens. Porque é muito fácil de se dizer “Eu não sabia”, assim sendo acho que não valia a pena termos um presidente de câmara que não sabe de nada do que se passa no seu município, para se livrar das consequências, uma vez que quase todos os munícipes, sabem em que vários sítios do concelho o Limpa Fossas descarrega a sua carga, nas ETARES é que não são, uma vez que muitas delas só começaram a funcionar este ano.
    Espero que isto se resolva o mais breve possível, e que dêem a cara pelo crime ambiental aqui praticado.

    ResponderEliminar
  6. Que se apurem os responsaveis e que se vá até às ultimas consequencias, mas ninguem acredita que sejam ordens do executivo, pois são pessoas acima de qualquer suspeita nesta matéria e não só.
    Pelo ou foi o funcionário ou o chefe do funcionário, seja como for o assunto tem e ser esclarecido.

    ResponderEliminar
  7. Pela forma como o post está apresentado, nomeadamente por incluir um último parágrafo de cariz político-partidário é óbvio que a discussão em torno do assunto principal se dilui em considerações sobre culpas e juízos sobre sensibilidades e responsabilidades.

    Eu acho que o mais importante é debater a questão de fundo propriamente dita. Se as descargas acontecem agora (e há muitos anos?) isto é gravíssimo. É um costume enraizado no nosso país e herdado dos tempos em que não havia ETAR's. Vê-se por todo o lado no campo e acredito que acontece umas vezes com a cumplicidade das edilidades dos concelhos muito grandes que querem poupar nos transportes, outras vezes sem conhecimento das mesmas e por ordem do comodismo mediterranico e da estupidez individual de alguem que acha que da muito trabalho levar para a estação se se pode descarregar aqui, como sempre se fez.

    O que é importante é pois que, na sequência deste oportuno post, seja feita pressão para o esclarecimento cabal das responsabilidades pela situação. Ou a câmara tinha conhecimento e deverá ser alvo de um processo de contra-ordenação e consequente aplicação das sanções previstas ou a responsabilidade do acto é individual e deve ser alvo de procedimento em conformidade.

    Já passámos os tempos das pessoas sem instrução que não percebem o que se passa. Já passámos os tempos de desculpar o presente e o futuro com o passado. Já passámos o tempo de resolver as coisas com jeitinhos e sem embaraços porque todos se conhecem.

    Despejar fossas a céu aberto sempre foi gravíssimo e agora não o é menos. Que se fechem os olhos a questões estruturalmente inultrapassáveis porque as leis nem sempre são ajustadas e foram feitas para quem tudo tem, muito bem. Que se dilua sempre a responsabilidade individual e colectiva em desculpas fáceis, quando havia alternativas e estruturas, é que não está correcto, em termos de avaliação das situações.

    Se o senhor que informou os jornais tem ou não objectivos políticos ou pessoais, isso é normal. Eu como cidadão ou responsável e representante numa ONG já mandei muitas notícias para os jornais e não tenho que me sentir culpado por isso. Se a autarquia é dirigida pelo ex-Director Regional de Ambiente, melhor para todos. Se a mesma revela consciência ambiental, não faz mais que a sua obrigação. Se o post é sobre isso, não me interessa. Penso que o senhor tem todo o direito de denunciar, que o esclarecimento e as devidas punições devem surgir e que o blog deve servir de espaço de pressão política para que não fique no esquecimento.

    Sobre as lamas, detritos e outros quejandos classificados de atentados ambientais, cada caso costuma ser um caso, em função das realidades económicas e sociais de cada parte do país e do mundo. Devemos tentar mudar o que está mal, sempre que seja possível. É o nosso pequeno contributo. E, quando havia alternativas (o que pode vir a provar-se que era o caso neste caso), só dá para dizer que os ignorantes nem daquilo que é (mais do que de todos, como diz o chavão) seu tratam . E o pior é que temos que conviver com eles.

    ResponderEliminar
  8. Caro bonelli: inteiramente de acordo!

    JDR

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  10. Prólogo de Um Minuto (Tradução livre de canção do L. Cohen)

    Escutei toda a vossa dissonância
    Escutei toda a vossa dor
    E sinto que não importa o que faça por vocês
    Vai tudo regressar de novo
    Mas eu penso que vos posso curar
    Mas eu penso que vos posso curar
    Eu sou um louco mas penso que vos posso curar
    Com esta canção.

    http://online.expresso.clix.pt/1pagina/artigo.asp?id=24760210

    ResponderEliminar
  11. Concordo totalmente e sem reticências com o "bonnelli" e dou parabéns ao "fingido"pela consciência ambiental que o move e o fez partilhar connosco uma questão tão pertinente.
    De facto, como disse o escandinavo , o nosso atraso estrutural é irrisório ...porque o cultural é quase inacreditável! E nesta nossa costumeira "bonomia" de "deixa andar" porque os políticos até são nossos amigos e por isso vamos acusar "os outros", vamos dizer que a culpa vem do tempo onde o ambiente era questão ignorada, vamos acusar, apontar o dedo...que presunção!!Como se os responsáveis não fossem de todos os tempos e aa agrssões ambientais crescentes em "nome do desenvolvimento"... Como se os políticos, só porque foram "secretários ou ministros do ambiente"estejam imunes a esta má gestão...A água???Que qualidade???Controle???Antes não havia???Quem disse???Há bem pouco tempo deixámos de ir ao "contentor" porque a qualidade "controlada"não impediu a poluição da água da rede pública...Ecopontos? Brincadeira...faz-de-conta...distantes uns dos outros como tudo para "facilitar" a sua utilização!!Proteger o ambiente, ou proteger os "desportos" dos novos ricos? As reservas de caça...os comentários desagradáveis feitos oas "ambientalistas", como se fossem os travões do progresso..os desvarios com "campos de futebol"...com "apitos e flautas" para seduzir quem não se preocua com sustentabilidade, mas com publicidade e folia...Que prioridades? Que mentalidade é esta que transforma o essencial em acessório e vice-versa? Isto não tem a ver com partidos políticos, mas com a tal "cultura" dos nossos responsáveis...

    ResponderEliminar
  12. Uma situação é clara, é vergonhoso e muito mau, que o nosso Concelho ande neste momento mal falado em páginas de Jornais e não só. Estou muito reticente no facto dos "responsáveis serem punidos", Ninguém vai ser despedido, ninguém vai ser responsabilizado pelo que fêz. O Presidente da Câmara, ainda não fez nenhum comunicado a esclarecer a população, e mais, esta situação só evidencia a falta de princípios e a pouca vontade de assumir as responsabilidades de muitos autarcas e responsáveis neste país. O resultado vai ser o mesmo de sempre, fica tudo em águas de bacalhau e daqui a alguns tempos ninguém fala nisso.

    ResponderEliminar
  13. Estas questões só resolvem com obra, com as Etares já em funcionamento,com as que estão a ser construidas e com os projectos para mais 40 povoações. O questão não é apontar o dedo ao passado é viver com o peso do atraso que esse passado nos deixou e quando falo do passado não falo apenas do passado recente falo também dos anos de fascismo e do atraso conjuntural que ele nos legou.

    ResponderEliminar
  14. Na verdade, "poluido", o atraso herdado do fascismo foi aterrador e, amanhã, o que dirão os Homens das consequências da nossa democracia??
    Se calhar o mesmo que os romanos já diziam deste (nosso) povo. " nem governantes, nem governáveis"...

    ResponderEliminar
  15. fala por ti anónimo.

    ResponderEliminar
  16. Não se melindre,poluido, mas se tem algum poder use-o bem.

    ResponderEliminar
  17. O autor do post acaba por elogiar o autarca local, defendendo-o (não admira…) e vice-versa, por acusar de insensibilidade e insconsciência ambiental todos os outros (típicos transgressores…).
    Estamos a ver que é profundo conhecer ambiental de todo o território (para ser tão generalista), dos atentados contra ele e das medidas tomadas para a sua salvaguarda.
    Paradoxal é que não alinhe nesse seu raciocínio com múltiplos factores que afectam o ambiente; e da sua incompatibilidade com o desenvolvimento. Este afectará sempre o ambiente, no sentido de lhe introduzir alterações, umas mais nefastas que outras.
    Mas parece-me (só…) que o que você quer e manifestar publicamente que está contra a denúncia dos tais despejos e logo minimizando os seus efeitos negativos….
    ALGUM INTERESSE VOCÊ TERÁ…!!!

    ResponderEliminar
  18. O "anonimous" só o que lhe interessa é que haja denúncias.Para ele não conta a defesa do ambiente.Interessa-lhe mais que primeiro se polua e depois se denuncie.Já percebemos o sua estratégia é apenas politica.Só podes ser um daqueles que sempre defenderam chernobil.
    Se queres ser útil evita a poluição e denuncia a intenção de quem o queria fazer, só assim proteges o ambiente.
    E já agora por que sei quem tu és, qaundo fôres pela rua evita pelos menos de julgar a beata para o chão.
    E já agora se te lembrares telefona para a Câmara para ir despejar na minha pequena propriedade a matéria orgânica que tirarem da tua fossa, mas desde que tenhas deitado as beatas para a sanita.

    ResponderEliminar
  19. É realmente constrangedor o que se lê neste post. Lá está outra vez o ridiculo português com os "clubismos" habituais.
    A culpa é do zé...na na, a culpa é do antónio...
    Por cada dia que passa, compreendo o processo de desertificação que o concelho está a sofrer. Infelizmente não são só as estradas e os hospitais.

    ResponderEliminar

Voltamos a ter comentários abertos, mas moderados. Agradecemos educação e cuidado com a linguagem.