terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Seleção Nacional Sénior e Sub23 de Velocidade novamente em estágio. Bruno Afonso continua entre os convocados.

A Seleção Nacional Sénior e Sub23 de Velocidade inicia o ano de 2015 com o primeiro estágio do ano, mais uma vez dividida entre Kayaks Masculinos e Kayaks Femininos/Canoas Masculinas.
Ryszard Hoppe convocou para o segundo estágio dos kayaks Femininos e Canoas masculinas o mesmo grupo de trabalho, com um total de 10 atletas que se concentrarão em Montemor-o-Velho, entre os dias 5 e 16 de Janeiro.
Helio Lucas e José Sousa, convocaram para o primeiro estágio dos Kayaks Masculinos Sénior e Sub23 um total também de 10 atletas, que viajam para o Centro de Estágio de Sevilha onde permanecem entre os dias 18 e 31 de Janeiro.
A Equipa nacional Sénior terá a sua primeira competição no mês de Maio, o Campeonato da Europa absoluto, a ser disputado em Racice na República Checa. Os atletas Sub23 preparam desde já a sua presença no Mundial da especialidade, que se realiza em 2015 no CAR de Montemor-o-Velho e onde se prevê um total de mais de 1000 atletas e 70 países.
Kayaks Femininos e Canoas Masculinas
Joana Vasconcelos - SLBenfica
Helena Rodrigues - CNFunchal
Beatriz Gomes - CFCoimbra
Fátima Cabrita - KCCArade
Francisca Laia - CDPatos
Teresa Portela - SLBenfica
Hélder Silva - CNPrado
Tiago Tavares - ARCOR
Bruno Afonso - CNMértola
Nuno Silva - CNPrado

Kayaks MasculinosEmanuel Silva - SCPortugal
Fernando Pimenta - CNPLima
João Ribeiro - SLBenfica
Danid Fenandes - CNFunchal
Hugo Rocha - CNMarecos
Diogo Quintas - ANTorreira
Diogo Lopes - KCCArade
David Varela - AlhandraSC
Francisco Magalhães  -CNPLima
Gonçalo Neves - CNFunchal

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Bruno Afonso recebe Prémio de Jovem do Ano


Teve lugar no dia 22 o Jantar de Natal do Clube Náutico de Mértola que juntou no Restaurante Migas atletas dirigentes e sócios do Clube para celebrar a data, entregar prendas simbólicas.

A ocasião foi aproveitada pela Junta de Freguesia de Mértola para anunciar e entregar o Prémio de Jovem do Ano ao Atleta do clube Bruno Afonso.

O Prémio, além do seu simbolismo, inclui um prémio financeiro de 500,00€,  reconhecendo assim os resultados de excelência do nosso atleta e serve para o incentivar para mais uma época cheia de desafios e com enormes objectivos. 2015 terá incluído no calendário a possível participação no Campeonato do Mundo de Sub/23 e Absoluto. Recorde-se que este ano é ano de apuramento Olímpico, logo um momento de importância capital para a canoagem portuguesa e consequentemente para o nosso atleta um desafio maior.

Mais fotos AQUI.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Praça da República

Publicado por
João Espinho
in
Praça da República

Myrtilis gourmet

Falar de comida é quase sempre falar de saudade, é sentir o nostálgico afago de uma lembrança, próxima ou distante, ida, mas vivida. Comida também cabe no futuro, como esperança de um momento bom; comida tem sabor de tempo.”
José Carlos Garcia (in Sabores Inconscientes)

Fenícios, cartaginenses, romanos, suevos, visigodos e árabes, eis todos os povos que passaram pela vila de Mértola – ou Myrtilis Julia, como apelidada pelos romanos. A vila a Sul de Portugal conta com menos de 3 mil habitantes, ocupando-se ainda, e principalmente, de actividades ligadas à agricultura, à pecuária e à apicultura.

Hoje, todos os produtos MYG são produzidos de acordo com técnicas artesanais, usando produtos naturais: é o mediterrâneo concentrado numa fusão de sabores únicos, enlaces sublimes entre o que de mais perfeito existe na natureza e a procura incessante por novos sabores. Explore cada categoria: Dulce – os doces –, e Condimentum – os salgados e snacks.


Mértola - História do Castelo

Há um novo sinal de trânsito


Com a reintrodução de linces ibéricos no seu habitat original, na zona de Mértola, no Alentejo, as estradas da região ganharam um novo sinal de trânsito.

A libertação de dois espécimes foi hoje saudada pelo ministro do Ambiente, Jorge Moreia da Silva, como a concretização de um projecto que “transcendeu governos, fronteiras setoriais e disciplinares” e “traduz uma verdadeira causa” comum a Portugal e Espanha.

Nos próximos meses vão ser reintroduzidos mais oito linces.

Esta iniciativa motivou alguns protestos dos caçadores, que pela voz da FENCAÇA criticam o que dizem ter sido a ausência de medidas de prevenção das doenças do coelho-bravo, a principal fonte de alimentação do lince.

Em resposta, o Governo afirma que a população de coelhos está a ser monitorizada e que o número é superior ao considerado suficiente à manutenção das duas espécies.

*com Lusa

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Jantar de Natal do Clube - Entrega do Prémio Jovem do Ano da Junta de Freguesia de Mértola


MIGAS CAFÉ RESTAURANTE

Ementa
Sopa de Legumes
Carne Assada
Sumos / Águas
Bolo de Bolacha
(Não inclui bebidas alcoólicas nem cafés)
Atletas - 7,00€
Outros participantes 10,00€

INSCRIÇÕES com José Justino ou na Secretaria do Clube ATÉ DIA 20
dir.nautico@gmail.com
286612044

Cante Alentejano - Património Cultural Imaterial da Humanidade


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Dois linces ibéricos já moram em Mértola


Primeiro o macho, depois a fêmea, em segundos o pioneiro casal de linces ibéricos criados em cativeiro a serem libertados em Portugal conheceu esta terça-feira a sua nova morada.

Eram cerca de 15h30 quando as portinholas das caixas que os abrigaram no transporte foram abertas, pela mão inevitável de dois governantes vindos de Lisboa. E os linces, um de cada vez, correram a procurar refúgio na vegetação arbustiva de um cercado, numa área com cerca de dois hectares numa zona de caça em Mértola

São dois de um total de dez linces que serão soltos nos próximos oitos meses no país, num programa conjunto com Espanha para reforçar a população do felino mais ameaçado de extinção em todo o mundo. Dezenas de linces já foram libertados em Espanha. Em Portugal, é a primeira vez que isto acontece.

Quem agora circular pela Estrada Nacional 267, entre Almodôvar e Mértola, saberá que ali há bichos diferentes. No quilómetro 118 vê-se o primeiro sinal de trânsito criado agora para assinalar, com a face de um lince, a presença de animais selvagens. Serão oito no total na zona.

O cercado dos linces fica ou pouco mais adiante, perto da localidade de Romeiras. Está dentro de uma grande propriedade cinegética, onde se caçam veados e javalis.

Katmandu e Jacarandá encontraram-se pouco antes da largada. O primeiro saíra às 9h30 da manhã do centro de reprodução de Zarza de Granadilla, perto de Plasencia, em Espanha. Jacarandá é portuguesa e nasceu no Centro Nacional de Reprodução do Lince Ibérico, em Silves, de onde partira também de manhã.

Puseram-se lado a lado, mas sem se verem, do lado exterior do cercado – ele numa carrinha Peugeot com matrícula espanhola, ela numa carrinha Nissan portuguesa –, enquanto se esperava pela comitiva que iria testemunhar a sua soltura.

Era um pequeno batalhão de políticos, técnicos, ambientalistas, jornalistas e também caçadores. Perante tal movimentação, seria de supor que os bichos se pudessem ressentir. “É um stress pontual. Eles saem e correm logo. Não é preocupante”, garantia, contudo, a veterinária espanhola Victoria Asensio, que acompanhou Katmandu na viagem.

Dentro do cercado, os linces têm tudo de que precisam no imediato. Uma parte da área está coberta com vegetação arbustiva, onde os animais se escondem. Há também uma zona aberta, onde se espera que os coelhos venham almoçar, para serem caçados pelos linces. “Já pusemos lá 30 coelhos e dentro de 15 dias iremos fazer um reforço”, explica Carlos Carrapato, biólogo do Parque Natural do Vale do Guadiana.

A abundância de coelhos bravos – o principal alimento do lince ibérico – é o aspecto determinante para o sucesso do programa de reintrodução da espécie. Se não houver em número suficiente, os linces procurarão outras áreas, podendo ir para Espanha ou então aproximar-se das estradas. É esta uma das razões para a mortalidade dos linces por atropelamento em Espanha. Só este ano, morreram 20. “Se não há coelho num sítio, o lince vai à procura noutro”, diz Miguel Simón, director do projecto luso-espanhol Iberlince, para a reintrodução da espécie na Península Ibérica.

Os linces de Mértola puderam ser vistos apenas por alguns segundos. Quando o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, abriu a primeira portinhola, um deles zarpou imediatamente para as estevas, misturando-se com elas e desaparecendo de vista. O segundo ainda vacilou por um instante, deu alguns passos tentativos e, perante fotógrafos e operadores de imagem, acabou por sair também em disparada para a mata. Se tudo correr bem, no final de Janeiro as portas do cercado serão abertas e os linces estarão completamente livres na natureza.

“Foram precisos 20 anos de trabalho para se chegar aqui”, disse Jorge Moreira da Silva, subitamente emocionado. Enquanto o ministro falava para os jornalistas, os técnicos do centro de reprodução de linces de Silves abraçavam-se efusivamente. Nos últimos anos, o centro cedeu vários animais para serem libertados em Espanha. Agora, era a vez de Portugal.

“A reprodução em cativeiro nestes cinco anos foi importante para que as pessoas não desistissem do lince ibérico”, disse Rodrigo Serra, director do centro, enquanto pedia para os jornalistas remanescentes se afastarem do cercado dos linces. “Parece tudo calmo. Mas a verdadeira batalha começa agora”. 


16/12/2014 - 18:55
In